Citações de Tenzin Gyatso, o XIV Dalai Lama, líder espiritual do Tibet

Para os tibetanos, Dalai Lama é uma espécie de ' emissor cósmico", um nó de forças através do qual as energias divinas, as energias da compaixão são difundidas sobre o universo e mais particularmente sobre o povo tibetano.

* Aquele que semeia e cultiva a verdade, aquele que é compassivo para com todos os seres humanos, aquele que ama os seus inimigos, só este conhece a luz.

* Os objetos não são vazios em si mesmos. A concepção justa da vacuidade não se refere ao objeto, mas ao sujeito. O estado de vacuidade é um estado de não-apego. As coisas são vistas como elas são, sem buscar encerrá-las nos nossos conceitos ou nos nossos desejos.

* O fato de haver uma grande diversidade de religiões no mundo é uma boa coisa boa.

* Um coração humilde e doce não é propriedade de nenhuma religião, de nenhuma raça.
Todas as pessoas, sem excessão, têm o dever e a capacidade de desenvolver em
si mesmas esta doçura e esta compaixão que fará delas verdadeiros seres humanos.

*No meio dos crimes mais atrozes que os chineses cometeram em nosso país,
jamais senti ódio no meu coração.
Não tentaremos nos vingar. O desejo de todos os humanos é a paz de espírito.
Minha esperança está na coragem do povo tibetano e neste amor pela verdade
e pela justiça que ainda continua vivo no coração da vida humana.

* O importante, porém, não são as questões metafísicas nem as análises, mas a prática; é o amor de todos os seres, é tudo o que pode livrar o mundo do sofrimento.

Do livro: Enraizamento e Abertura
Jean Yves Leloup
Editora Vozes


Objetivos do Curso

Fazer aproximações e entrelaçamentos entre os fundamentos da Psicologia Analítica de Carl Gustav Jung e os fundamentos da Astrologia Psicológica.
Do ponto de vista teórico, quais seriam os pontos que existem em comum entre estes dois abrangentes campos de conhecimento?

Tópicos teóricos da Psicologia Analítica

-Inconsciente Coletivo e Arquétipos

-Quatro tipos Psicológicos ou quatro funções da consciência: pensamento, sentimento, sensação e intuição.

-Complexos, Sombra

-Processo de Individuação

-Sincronicidade- Coincidências “a-causais”, que têm um significado.


Tópicos teóricos relacionados à Astrologia:

-Zodíaco, Signos , Planetas .

-Os quatro elementos: Fogo, Ar, Terra e Água.

-Subpersonalidades do mapa natal. Saturno e Plutão.

-Ciclos planetários e o desenvolvimento da personalidade.

-Sincronicidade e tempo qualitativo.


INTRODUÇÂO

As incursões no campo da Psicologia começaram a influenciar a astrologia de forma marcante a partir da década de 30. Essa gradual assimilação começou a tomar forma a partir da publicação do livro A Astrologia da Personalidade, pelo conhecido escritor, músico e astrólogo francês, Dane Rudhyar. A partir desta importante publicação, teve início um positivo entrelaçamento conceitual com aproximações teóricas entre a astrologia e a Psicologia Analítica.
Este processo começou a dar frutos e inúmeras obras surgiram, sedimentando, anos mais tarde,
o que hoje chamamos de Astrologia Psicológica, e que conta atualmente com renomados
estudiosos na Europa e EUA.
Alguns dos seguidores desta abordagem humanista e psicológica: Alexander Ruperti, Liz Greene, Howard Sasportas, Richard Idemon, Stephen Arroyo, Roberto Sicuteri, Karen Hamaker-Zondag, Erin Sullivan.

Professora: Tereza Kawall
Mais informações veja no link da GAIA ESCOLA DE ASTROLOGIA:

Os quatro elementos - Terra

Por Tereza Kawall

É comum aos indivíduos com ênfase nesse elemento um contato estreito com os sentidos físicos e com a realidade do mundo material e tangível. Seu universo precisa de direção e utilidade, pois têm um forte senso de dever.
A natureza construtiva dos signos de terra é direcionada para a praticidade: ocupam-se com tudo aquilo que pragmático e sólido.

Seu enfoque básico é a funcionalidade das coisas. Norteado pelas sensações, deixa as considerações teóricas e intuições para segundo plano. Esta atitude acaba por restringi-los, pois lhes dá uma visão mais estreita, presa ao mundo das formas, o que anula qualquer outra maneira de apreensão da realidade. Por serem cautelosos, tudo o que empreendem é minuciosamente calculado e organizado.
São dignos de confiança, disciplinados, amantes da ordem e da precisão.

O tipo terra sente-se à vontade com o seu corpo, sabendo expressar sem dificuldade seus desejos físicos.
É bem típico dos signos de terra a inclusão do corpo e seus processos em todas as experiências psíquicas .
Sua medida de valor baseia-se no grau de rendimento que se traduz materialmente, ou sob a forma de posses, ou da consideração alheia geral. Por sua marcante necessidade de segurança ou por querer sempre manter os pés fincados no chão, esses tipos astrológicos podem se tornar escravos de uma rotina maçante e repetitiva.

Os quatro elementos - Ar


Por Tereza Kawall
Na Astrologia, o ar é o elemento do intelecto e simboliza o mundo das idéias e das palavras. É considerado um elemento positivo ou masculino, cuja função é estimular as trocas com o meio ambiente, a comunicação e a expressão.
Os signos de as são os mais sociáveis e tem a habilidade de se afastar da experiência mais concreta, o que lhes dá a visão de perspectiva sobre o mundo e as pessoas. São por isso ótimos companheiros e amigos.
Necessitam partilhar as experiências da vida e são ávidos por todo o tipo de estímulo intelectual e cultural, adaptando-se rapidamente às situações novas.

No nível pessoal raramente demonstram os seus sentimentos mais íntimos: são vistos como pessoas frias ou indiferentes, que racionalizam os sentimentos e não gostam de excessos emocionais. Precisam entender e questionar tudo, esquivam-se de formas de pensamento toscas ou primitivas.

Na vida social e profissional os tipos aéreos são atraídos por atividades na área da comunicação, pois são versáteis, curiosas e originais, adoram a informação rápida.Essas características dão a eles uma eterna jovialidade.

Dentre todos os elementos, o ar é o mais civilizado: curiosamente são os únicos cujos símbolos gráficos não são representados por animais e sim por figuras humanas( Aquário e Gêmeos) ou objetos criados pela mão humana( Libra).

Os quatro elementos - Água


Por Tereza Kawall

No conhecimento astrológico, a água representa o mundo dos sentimentos, a vida instintiva, íntima a subjetiva. Pessoas cujos mapas têm ênfase nesse elemento falam a língua do coração e por isso são muitas vezes irracionais, permeáveis e mesmo imprevisíveis.

Suas atitudes ás vezes infantis, pois como crianças esperam do mundo respostas de aprovação e afeto. Os signos de água são os mais enigmáticos do Zodíaco. Receptivos, envolvem-se profundamente nos relacionamentos pessoais, pois sabem “ mergulhar” na intimidade do outro.



Sua noção de realidade depende daquilo que podem sentir, o que os torna aptos a grande a decepções amorosas. Em nome da paixão e da entrega, os tipos de água absorvem tanto o parceiro que terminam por paralisá-lo, sendo notadamente este o elemento que desconhece os limites na relação amorosa.
De temperamento sensível e intuitivo, possuem uma imaginação muito criativa, deliciam- se com suas próprias fantasias e devaneios.


Na vida social são afáveis e cordiais, não tem receio de expor as suas fraqueza. Tornam-se cativantes porque, mais que ninguém, os signos de água captam as necessidades dos outros, sem fazer julgamentos ou discriminações.

“ Em alguns casos, esta experiência foi vivida na grande natureza.
Não foi somente uma experiência de beleza, a beleza estética de um por do sol ou de uma paisagem magnífica. Foi um momento, enquanto caminhávamos na floresta, ou ao pé de uma montanha, e de repente, nós paramos.
Estávamos lá.
Sentíamos nossos pés no chão , sentíamos o cheiro do musgo.
Não estávamos em um estado alterado de consciência, em um estado secundário.
Estávamos mesmo lá. Ao mesmo tempo havia um silêncio no coração e na inteligência.
Compreendíamos com o corpo o que líamos nos livros de física.
Havia uma interconexão com todos os elementos do universo. Neste momento, não era eu que olhava a árvore, mas eu sentia também que a árvore me olhava, que me envolvia com a sua presença.
Que a seiva que estava nela e o sangue que estavam em mim eram da mesma família.

Pode-se traduzir esta experiência em termos científicos. Pode-se traduzi-la em termos poéticos. Pode-se traduzi-la nas palavras de São Francisco de Assis, quando fala de sua comunhão com a natureza, do seu irmão-Sol , de sua irmã-Lua.
Neste caso existe uma experiência de onde o sujeito e o objeto não estão mais separados.


Onde o infinito e o finito não estão separados.
O ar que está no interior do cântaro e o espaço que preenche todo o universo vivem num momento de unidade”.
Terapeutas do Deserto
Jean-Yves Leloup
Editora Vozes