Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2012

Sermão da montanha

Imagem
“Bem aventurados os tristes” Huberto Rohden, em o livro: Sermão da Montanha “Antes de tudo, convém distinguir duas espécies de tristeza e alegria, uma tristeza central , permanente, por vezes circundada de alegrias periférica s, intermitentes – e uma alegria central, permanente, que, por vezes, se acha envolta em tristeza periférica, intermitente Em outras palavras: pode haver uma tristeza-atitude e uma alegria-atitude - como também pode haver uma tristeza-ato e uma alegria-ato. Pode alguém ser triste e estar alegre- como também pode ser alegre e estar triste. O que é decisivo é a atitude interna, permanente, negativa ou positiva. E essa atitude radica, em ultima análise, num profundo substrato metafísico, a VERDADE, ou então o seu contrário. Quem tem a consciência reta e sinceridade estar na Verdade é profundamente alegre, calmo, feliz, embora externamente lhe aconteçam coisas que o entristeçam – quem, no intimo da sua consciência, sabe que não está na Verdade é profunda

JUNG E DEUS

Imagem
DO PONTO DE VISTA DO CRISTIANISMO DOGMÁTICO, JUNG ERA UM OUTSIDER. APESAR DE SUA FAMA MUNDIAL, OS CRÍTICOS DE SUA OBRA SEMPRE O FIZERAM SENTIR ISSO. ELE AGUENTOU TAL OPOSIÇÃO E NAS LINHAS DESTE LIVRO ENCONTRAMOS AQUI E ALI VESTÍGIOS DESSE DESAPONTAMENTO AO CONSTATAR QUE SUAS IDÉIAS RELIGIOSAS NÃO FORAM TOTALMENTE COMPREENDIDAS.  POR MAIS DE UMA VEZ ELE DEMOSNTROU SUA DECEPÇÃO RESMUNGANDO:  NA IDADE MÉDIA EU TERIA SIDO QUEIMADO!! JUNG SE DECLARAVA CRISTÃO, E A MAIORIA DE SUAS OBRAS, AS MAIS IMPORTANTES, TRATAM DOS PROBLEMAS RELIGIOSOS DO HOMEM CRISTÃO.  ELE OS INTERPRETAVA DO PONTO DE VISTA DA TEOLOGIA, LIMITANDO CONSCIENTEMENTE AS FRONTEIRAS COM AS PERSPECTIVAS TEOLÓGICAS.  ASSIM FAZENDO, ELE PUNHA À EXIGENCIA CRISTÃ DE FÉ A NECESSIDADE DE COMPREENDER . PARA ELE A REFLEXÃO ERA UM ATO NATURAL E UMA NECESSIDADE VITAL. ESCREVEU EM UMA CARTA A UM JOVEM SACERDOTE, EM 1952: " ACHO QUE MEUS PENSAMENTOS GIRAM EM TORNO DE DEUS COMO OS PLANETAS GIRAM EM TORNO DO SOL, E S

Determinismo ou livre arbítrio ?

Imagem
Maria Eugenia de Castro " O determinismo sempre foi ancorado no destino, assim como o livre-arbítrio sempre foi vinculado às nossas escolhas. No plano individual, temos uma destinação que, no entanto, está sujeita a um destino coletivo. Nascemos com um mapa "determinado" pelo céu e crescemos em um mundo em que as opções são bastante restritas. Em relação a este determinismo que configura nosso mapa, pelo menos no nível consciente, nos esquecemos do fato de ter sido escolha nossa. Se acreditarmos que somos continuidade do que já fomos e se a vida de hoje é resultado e consequência de atitudes dos vários passados vividos, então estamos na rota do destino. Creio que a vida nos dá um quinhão de livre-arbítrio ( talvez uns 40%) e um roteiro destinado a nossos desempenhos ou aprendizados ( talvez outros 40%) e os 20% que sobram é a quota do imponderável, de tudo que não temos a menor condição de mudar ou interferir. A Astrologia não pode preve

O FUTURO NOS ESPERA

Imagem
O futuro nos espera Uma lenda oriental conta como um grupo de deuses teve um encontro para decidir onde esconder da humanidade a “ a verdade do Universo”. O primeiro deus sugere escondê-la no fundo do oceano, mas os outros intervêm dizendo que as pessoas construiriam um submarino para tirá-la de lá. Um segundo deus sugere escondê-la no céu, num planeta distante da Terra, porém os outros deuses ponderam que uma nave pode ser construída para alcançar tal destino também. Finalmente, um terceiro deus sugere que eles pendurem a verdade em torno do pescoço de cada ser humano. Os outros deuses concordam que as pessoas nunca procurarão pela verdade num local tão óbvio. E então todos fazem como terceiro deus sugeriu. Quando olhamos para o mundo para restaurar nossa paz mental, resgatar nossas esperanças perdidas ou para nos dizer como viver, pode ser que nunca encontremos a verdade que buscamos, pois ela está enterrada bem dentro de nós. Porém, esse também é o aspecto de nós mesmos que