GRATIDÃO

                                                             


A NECESSIDADE DE AGRADECER


"Uma das técnicas de mudança mais eficazes é conseguir agradecer por tudo.
Esta gratidão, no caso de experiências negativas, é uma espécie de conciliação com o que “É”, para que nossa vibração possa mudar e, conseqüentemente, atrair o desejado.
O semelhante atrai o semelhante.
Assim, se nossos pensamentos e sentimentos estão mergulhados em tristeza ou raiva ou desapontamento, atrairemos mais disto, mesmo achando que queremos de fato alegria, serenidade e realização.
Agradecer pela vida é o primeiro passo, mesmo sendo um dos mais complexos de serem atingidos, uma vez que sempre temos experiências negativas, como agradecer por elas? Como agradecer por uma doença?
Como agradecer à alguém que nos fez ou faz mal?
Por vezes fingimos com palavras, mas no sentimento mais íntimo sempre conhecemos a verdade.
Algumas pessoas acrescentam luz à nossa luz, alegria à nossa alegria, aprovação à nossa auto-aprovação, enfim são aquelas pessoas ou situações harmônicas e desejadas que todos experimentamos na vida.
Experimentamos também pessoas que, de alguma forma, são o que não queremos ser, seguem caminhos que não queremos seguir, perseguem metas que não queremos ter, têm princípios divergentes dos nossos e podem nos causar dor, decepção etc.
À estes agradecemos também, pois a utilidade de tudo que sinaliza o que não nos faz bem e nos ajuda a escolher outros caminhos tem valor inestimável.
Estas pessoas e acontecimentos fazem o papel do sinal vermelho ou de placas que nos obrigam a desviar para a esquerda ou a direita.
A forma positiva de encarar situações ou pessoas consideradas negativas é vê-las como sinalizadores do que não queremos.
A dor e o sofrimento sempre indicam que de alguma forma estamos nos distanciando de nosso ser interno de nossos profundos desejos.
A gratidão é uma espécie de perdão no caso de experiências negativas e ao mesmo tempo que libertamos o outro, libertamos a nós mesmos.
Eu sou a única responsável por tudo que atraio para minha vida é uma das chaves para conseguirmos parar de responsabilizar os demais minando assim nosso poder interno."


(Corina Dohm Carvalho)

"A missão do Criando a Realidade é fornecer instrumentos, seja pela leitura dos artigos ou pelo trabalho terapêutico, que possibilitem a todos perceber seu direito inato à felicidade, ao poder pessoal e a auto-realização.
Buscamos contribuir para a percepção de que nossos pensamentos e sentimentos produzem uma qualidade vibratória com a qual atraímos tudo que nos acontece e os meios de criar uma vibração condizente com o que realmente desejamos.
Enfim pretendemos unir nossa voz a de todos aqueles que hoje trabalham para tirar a humanidade do torpor produzido pelos condicionamentos e por falsas crenças que nos colocou na situação de suplicantes, impotentes, medrosos e sofredores, supostas vítimas de tudo e de todos.
Nossa voz se une a de todos os que hoje nos mostram que somos Consciência pura fazendo uma experiência e não pecadores que precisam esforçar-se para serem novamente aceitos em outros patamares.
A era da exaltação do sofrimento (ora explicado pelo karma, ora por pecados originais ou não) como caminho terminou.
Apenas pela Alegria, pela felicidade se é Um com a Fonte."


(Corina DohmCarvalho)
http://criandoarealidade.com.br/

Arte: Alex Grey

 

LAPIS, A PEDRA FILOSOFAL


 “ Quando era escolar, Jung gostava de brincar ao ar livre, Ao lado dos muros do jardim da casa de sues pais havia um declive em que estava incrustada uma pedra, “ a minha pedra” como ele a chamava.

“ Era freqüente, quando estava sozinho, que eu me sentasse nessa pedra e começasse uma brincadeira imaginária mais ou menos assim: “ Estou em cima dessa pedra e ela está embaixo de mim. Mas e pedra poderia também podia dizer “eu” e pensar: “estou aqui nesse declive, e eles está sentado em cima de mim” Vinha então a questão: “ Eu é que estou sentado em cima da pedra ou eu sou a pedra sobre a qual ele está sentado?” essa pergunta sempre me deixou perplexo e eu me levantava, a imaginar quem era o que naquele momento”.          

... Quando Jung, que era um pedreiro habilidoso, trabalhava num anexo de sua casa de pedra no lago superior, um operário levou-lhe uma pedra angular cúbica que fora medida incorretamente e não podia ser usada na construção – “ a pedra rejeitada pelos construtores”. Ele percebeu de imediato que aquela era a pedra que ele deveria transformar numa lembrança da lapis. Na parte anterior, ele gravou um círculo e, nele, um kabir, o Telésforo ou Asclépio, com uma lanterna na mão; em torno dele, gravou em grego a inscrição:

“ O tempo é uma criança – brincando como uma criança-  sobre um tabuleiro de xadrez, o reino da criança. Eis Telésforo, que vaga pelas regiões sombrias desse cosmos e que brilha qual estrela erguendo-se das profundezas. Indica o caminho dos porões do sol e da terra dos sonhos”

E, nos outros dois lados visíveis da pedra, Jung gravou dizeres alquímicos a respeito da pedra filosofal. Um deles diz o seguinte:

“ Sou uma órfã, sozinha; mesmo assim, estou em toda parte. Sou uma, mas oposta e mim mesma. Sou ao mesmo tempo jovem e velha. Não conheci pai nem mãe, porque devem ter me arrancado das profundezas como um peixe, ou caí do céu, como uma pedra branca. Vagueio pelas florestas e montanhas, mas estou escondida no mais recôndito do homem. Para cada um sou mortal e, no entanto, a sucessão dos tempos não me atinge”.

Nessa pedra, Jung erigiu um memorial para sua torre no lago superior e para seu real ocupante, o Self, bem como para aquela vida misteriosa que ele deu o nome de inconsciente, de que de fato tão pouco se compreendeu até agora.

Texto de Marie-Louise von Franz, em C.G.Jung- seu mito em nossa época, Editora Cultrix.

SORRIA PARA O MEDO

                                                                            
 Alguns trechos do livro de autoria de Chogyan Trungpa

“Em sua vida pessoal você poder ser o soberano. Na sociedade do guerreiro, você é parte integrante de todo o mandala.

No processo de fazer surgir o cavalo de vento, o passo seguinte é contemplar o Sol do Grande Leste. Assumir nosso lugar no mundo produz um efeito quase físico. Uma grande quantidade de energia é gerada, e você começa a sentir que praticamente é o Sol do Grande Leste. Você tem uma sensação de brilho e resplendor. É uma experiência próxima ao sublime. Pode ser longa ou levar um instante. Ao sentir isso, você deve apenas tocá-la. Tocar a energia, não entregar-se a e ela nem exagerá-la. Apenas tocar”.

“O que estamos invocando é um cavalo de vento, que é um tipo especial de cavalo. Cavalos são animais maravilhosos. Qualquer escultura de um cavalo é um símbolo sagrado. Os cavalos representam os sonhos selvagens sobre os quais os seres humanos gostariam de ter domínio. O desejo de capturar um animal selvagem ou de capturar o vento, uma nuvem, o céu – tudo isso é representado pela imagem do cavalo. Se você deseja passear pelas montanhas ou dançar com as cachoeiras, tudo isso está incorporado no simbolismo do cavalo. O físico do cavalo – pescoço, orelhas, cara dorso, músculos, cascos, rabo- é a imagem idealizada de algo romântico, algo cheio de energia, algo selvagem que gostaríamos de dominar. Aqui, o cavalo é usado como analogia para essa energia e todos esses sonhos”.

“ Na tradição de Shambhala, choramos muito porque nossos corações são muito delicados. E lutamos contra o sol poente porque sentimos que a bondade fundamental merece que se lute por ela, por assim dizer. Nossos obstáculos podem ser vencidos. Por isso, devemos chorar e lutar, sabendo que o choro do guerreiro é um tipo diferente de choro e que a batalha é um tipo diferente de batalha”.

“ A dor gera o caos, o medo e o ressentimento, e temos que superar isso. É uma lógica bem simples. Quando conseguimos superar o medo, descobrimos a alegria intrínseca, e passamos a ter menos ressentimento em relação ao mundo e a nós mesmos. Ao estar aqui de modo natural, temos menos ressentimento. Quando ficamos ressentidos, transportamo-nos para outro lugar, porque estamos preocupados com outra coisa. Ser um guerreiro é estar simplesmente aqui sem distração nem preocupação. E quando estamos aqui, ficamos alegres. Podemos sorrir para nosso medo.

Assim, a coragem não é o simples resultado de superar ou dominar o medo. Para o guerreiro, a coragem é um estado de ser positivo. É pleno de prazer, alegria e brilho nos olhos”

“Como um guerreiro sem agressividade, você é destemido e bom. Basicamente, você é incapaz de cometer um erro, então por favor,  alegre-se. Mesmo na maior escuridão de uma época de trevas, sempre há luz. Essa luz vem com um sorriso, o sorriso de Shambhala, o sorriso da coragem, o sorriso de perceber o melhor do melhor do potencial humano. Todos os ensinamentos, o próprio sangue do coração de Shambhala são seus. Todos nós fazemos parte da mesma família humana. Vamos sorrir e chorar juntos”.

Livro: Sorria para o medo- o despertar do coração autêntico da coragem

Autor: Chogyam Trungpa

Editoria Gryphus, 2013, Rio de Janeiro

James Hillman: Curar a Sombra


James Hillman
 

"A cura da sombra é, por um lado, uma questão moral — ou seja, o reconhecimento daquilo que reprimimos, o modo como efetuamos essas repressões, a maneira como racionalizamos e enganamos a nós mesmos, a espécie de objetivos que temos e as coisas que ferimos (ou até mesmo mutilamos) em nome desses objetivos. Por outro lado, a cura da sombra é uma questão de amor.


Até onde poderia o nosso amor estender-se às partes quebradas e arruinadas de nós mesmos, às nossas partes repulsivas e perversas? Quanta caridade e compaixão sentimos pelas nossas próprias fraquezas e doenças? Como poderíamos construir uma sociedade interior baseada no princípio do amor, reservando um lugar para todos? E uso a expressão "cura da sombra" para enfatizar a importância do amor.

Se nos aproximamos de nós mesmos para nos curar e colocamos o "eu" no centro, isso com muita frequência degenera no objetivo de curar o ego — ficar mais forte, tornar-se melhor e crescer de acordo com os objetivos do ego, que em geral são cópias mecânicas dos objetivos da sociedade. 

Mas quando nos aproximamos de nós mesmos para curar essas firmes e intratáveis fraquezas congênitas de obstinação, cegueira, mesquinhez, crueldade, impostura e ostentação, defrontamo-nos com a necessidade de todo um novo modo de ser; nele, o ego precisa servir, ouvir e cooperar com um exército de desagradáveis figuras da sombra e descobrir a capacidade de amar até mesmo o mais insignificante desses traços.
.
Amar a si mesmo não é fácil, pois significa amar todas as partes de si mesmo — incluindo a sombra, na qual somos tão inferiores e tão inaceitáveis socialmente. Os cuidados que dedicamos a essa parte humilhante são também a cura. Amar a sombra pode começar com o trazê-la consigo, mas isso ainda não é suficiente. A qualquer momento pode irromper alguma outra coisa qualquer, como aquela introspecção que escarnece do paradoxo da nossa própria loucura — a loucura comum a todos os homens.
.
E então talvez nos chegue a alegre aceitação do rejeitado e do inferior, um acompanhá-lo e até mesmo vivê-lo parcial.
Esse amor talvez leve até mesmo a uma identificação com a sombra, a uma passagem ao ato da sombra, caindo no seu fascínio. Portanto, a dimensão moral nunca deve ser abandonada.
 E assim a cura é um paradoxo que exige dois fatores incomensuráveis: primeiro, o reconhecimento moral de que essas partes de mim são opressivas e intoleráveis, e precisam mudar; e segundo, a risonha aceitação amorosa que as aceita exatamente como elas são, com alegria e para sempre.”  

"Ao encontro da Sombra"
Organizadores: Connie Zweig e Jeremiah Abrams
Editora Cultrix, 2001


EQUINÓCIO DA PRIMAVERA


 Dia 22 de setembro 2020

Hoje, 10h e 32m m, teremos o equinócio de Libra e o início da primavera. Gostamos de festejar essa data pois sempre há um quê de esperança por renovação em nossa vidas.
Como viveríamos sem esperanças?

Há um mito muito expressivo sobre Demeter e Peséfone, mãe filha na mitologia grega, que nos fala das estações do ano, e da semente que precisa morrer antes de germinar.
Nos conta da dolorosa separação entre as duas, da terra que se tornou seca e estéril como consequência desse sofrimento.

A falta de alimentos para a humanidade foi o estopim para que houvesse um grande acordo entre os deuses: Zeus, o pai de Perséfone, Hades, o seu marido e a sua mãe, que ameaçou os homens com a fome irrestrita.

Ao final, acertaram que Perséfone ficaria seis meses com seu marido nos mundos subterrâneos ( como semente) e seis meses com sua mãe, no período das colheitas dos grãos, dos frutos e florações, ou seja, na primavera e no verão.

Nessa imagem vemos Mercúrio, o mensageiros dos deuses, trazendo Perséfone dos mundos subterrâneos e entregando à sua mãe.

Arte: O retorno de Perséfone
Frederic Leigton, 1891.

MARIE-LOUISE VON FRANZ E OS SONHOS

 

“ Os sonhos possuem uma inteligência superior, uma sabedoria e uma perspicácia que nos orientam. Eles nos mostram em que aspectos estamos enganados e nos alertam a respeito de perigos; predizem eventos futuros; aludem ao sentido mais profundo da nossa vida e nos propiciam insights reveladores. Se analisar sonhos de artistas  ou cientistas criativos, por exemplo, você verá que muitas vezes novas ideais lhe são reveladas através dos sonhos.Elas não são concebidas num computador. Pelo contrário , brotam do inconsciente sob a forma de idéias súbitas, como se costuma dizer. 

Vários documentos demonstram que  muitos cientistas primeiro sonharam certas soluções matemáticas e depois resolveram conscientemente. Devemos, então, concluir que existe uma matriz psíquica capaz de produzir novos insights criativos”.


“ Os sonhos não nos protegem das vicissitudes, doenças e eventos dolorosas da existência. Mas eles nos fornecem uma linha mestra de como lidar com esses aspectos, como encontrar um sentido em nossa vida, como cumprir nosso próprio destino, como seguir nossa própria estrela, por assim dizer, a fim de realizar o potencial de vida que há em nós”.

 Marie-Louise von Franz: O caminho dos sonhos, pagina 25

 

PSICOTERAPIA ONLINE

 


Resiliência e superação

Olá pessoal!

Hoje escrevo a vocês, leitores do meu blog, que aliás já está completando 12 anos!

Quero comunicá-los que a partir de agora  todos meus atendimentos serão online, via

Skype e com preços reduzidos.

Todos sabemos que nossa vida mudou e é provável que precisemos de um novo fôlego para que tudo possa ir voltando a normalidade. 

Essa mudança nos trouxe novas demandas e novos desafios para nosso dia a dia, nem sempre fáceis de serem superados.

 Assim, ofereço aqui meu trabalho como psicoterapeuta, tendo em vista as aflições ou impasses que muitos possam estar passando. Um momento de parada e oportuno para uma reflexão a respeito de nossas crenças, valores e padrões emocionais que certamente podem ser modificados. Crises são também tempos de decisões e de oportunidades para que o novo aconteça.

 Acredite: todos temos recursos internos que afloram em ciclos de perdas e transição. E uma mente positiva já é sempre um bom começo.

Continuarei fazendo meus atendimentos de astrologia, com a leitura do mapa de nascimento e mais os trânsitos e progressões para doze meses.

Colocar a vida em perspectiva é fundamental,  manter uma rotina, assim como criar ou dar forma a algum projeto adiado... ou fazer um curso online?

Caso tenham interesse ou precisem de mais informações podem me enviar um e.mail ou fazer

contato pelo watzap.

tekav@uol.com.br

(11) 9.8155.9850

Estou também no Facebook na fan Page: Ecos de Urania

 

JUNG E A ESCRITA CIRCULAR

 


  JUNG E A ESCRITA CIRCULAR

Jung era um escritor prolífico a quem as idéias vinham com facilidade. As palavras fluíam de sua pena, e ele só ficava perdido quando se encontrava bloqueado e incapaz de completar a parte dois do Wandlungen.

Quando começou a escrever, topou com a técnica que melhor se ajustava a seu temperamento e usou-a dali para frente, apesar da confusão que ela às vezes inspirava em seus leitores e as muitas críticas que atraiu dos estudiosos. Depois de velho. Já com oitenta a tantos anos, achou que precisava explicá-la, tentando fazer isso repetidamente, em todas as versões sobreviventes de entrevistas e nos rascunho que acabaram sendo aperfeiçoados e editados para se tornarem Memórias, Sonhos e Reflexões. Em cada um desses Protocolos ( como foram chamados os rascunhos iniciais). Ele começa com uma justificativa a seus leitores semelhante a esta:

“ Sinto repetir as coisas. Sempre fiz isso em meus livros. Eu enfrentava determinadas coisas várias vezes e sempre a partir de um novo “ ângulo” porque meu pensamento é circular. Circulo sempre em torno da mesma questão. Esse é o método que me agrada. De certa forma, é um novo tipo de peripatético (*) ( falta uma palavra) Simplesmente trabalho melhor desse jeito”.

Essa circularidade constitui a dificuldade de ler, não apenas qualquer trabalho em particular. Mas também a obra de Jung em sua totalidade. Muitas vezes revia um texto original para modificá-lo ou acrescentar alguma coisa, ou aprofundava o ponto inicial, ao mesmo tempo quie introduzia outros pontos relacionados para sustentar a discussão original. Esses pontos podem ter exigido discussões separadas dentro da mesma obra. Se levantasse questões muito extensas para aquele espaço, elas deveriam ser detalhadas em trabalho futuro. Havia épocas, por exemplo, como na ultima década de sua vida, os anos 1950, em que ainda estava refinando as idéias desenvolvidas em 1912. Continuavam presentes traços de trabalhos anteriores, porque ele ampliava e desenvolvia idéias, mas também às vezes as contradizia.

“ Isso era o que eu pensava naquela época” responderia ele quando se perguntava a respeito de discrepâncias, “mas isso é como eu penso agora”.

Deirdre Bair em  “JUNG – uma biografia” , Volume I.

Editora Globo.

Peripatético: É a palavra grega para itinerante ou ambulante.

 

LOUISE HAY: CURE A SUA VIDA

                                                                                     

Por Louise Hay

Somos todos 100 por cento responsáveis por nossas experiências. Cada pensamento que temos está criando nosso futuro. O ponto do poder está sempre no momento presente. Todos sofrem de culpa e ódio voltados contra si próprios. A frase-chave de todos é: "Não sou bastante bom". É apenas um pensamento e um pensamento pode ser modificado. Ressentimento, crítica e culpa são os padrões mais prejudiciais.

 A liberação do ressentimento pode remover até o câncer. Quando realmente amamos a nós mesmos, tudo na vida funciona. Devemos nos libertar do passado e perdoar a todos. Devemos estar dispostos a começar a aprender a nos amar. A auto-aprovação e a auto-aceitação no agora são a chave para mudanças positivas. Cada uma das chamadas "doenças" em nosso corpo são criadas por nós.

Na infinidade da vida onde estou, tudo é Perfeito, pleno e completo, e, no entanto a vida está sempre mudando. Não existe começo nem fim, somente um constante reciclar  de substância e experiências. A vida nunca está emperrada, estática ou rançosa, pois cada momento é sempre novo e fresco.

Eu sou uno com o poder que me criou e esse poder me deu o poder de criar minhas próprias circunstâncias. Regozijo-me no conhecimento de que eu tenho o poder de minha própria mente para usar de qualquer forma que eu escolher.

Cada momento da vida é um novo ponto de começo à medida que nos afastamos do velho. Este momento é um novo ponto de começo para mim bem aqui e agora mesmo. Tudo está bem no meu mundo.

Do livro : Você pode curar a sua vida.

HÁ 145 ANOS NASCIA CARL GUSTAV JUNG


Por Tereza Kawall 

"Jung viveu no coração da Europa, presenciou duas guerras mundiais e com elas a devastação moral e a miséria psíquica por elas produzidas. Homem de fortes convicções e fé, toda a sua obra é permeada pela questão da religiosidade humana, da ética e da busca do significado para a vida.

Jung se declarava cristão, mas do ponto de vista do cristianismo dogmático, foi sempre um outsider; suas idéias religiosas nem sempre foram bem compreendidas. 

Às vezes resmungava: Na Idade Média eu teria sido queimado”.

Escreveu a um jovem sacerdote em 1952 a respeito da própria fé:

     "Acho que todos os meus pensamentos giram em torno de Deus como os planetas em torno do Sol, e são da mesma maneira irresistivelmente atraídos por ele. Eu me sentiria como o maior pecador querer opor uma resistência a esta força” 
( MSR, pág 15).

O legado da sua extensa obra e a originalidade de seu pensamento parece estar ainda muito longe de ser plenamente reconhecidos e aceitos no mundo acadêmico. No entanto, é inegável que seus variados campos de interesse, trouxeram preciosas contribuições para a Psiquiatria, a Psicologia profunda, repercutindo na Teologia, na Antropologia, na Física atômica, entre outras.

Ao estudar intensamente a religiosidade humana, a Alquimia, a Mitologia, o I Ching, a Astrologia e as chamadas ciências herméticas, Jung imprimiu mais humanidade à sua forma de fazer ciência. 
Jung fez severas críticas à sociedade contemporânea, à massificação e à uniformidade que produzem a mediocridade no homem. Na sua visão, o culto da “deusa Razão” causou a fragmentação do conhecimento em detrimento da alma e da subjetividade do homem, afastando-o de seu mundo mítico e divino.

Jung cumpriu, assim, o seu destino leonino e aquariano, na tentativa de alcançar o “si mesmo” em cada um de nós e, ao mesmo tempo, contribuindo com o seu enorme conhecimento, às gerações futuras que certamente ainda terão muito a desvendar sobre a genialidade de seu pensamento.

Trecho do livro: "Astrologia e os doze portais mágicos", editora Talento, SPaulo.
Obs: Jung tinha o Sol em Leão e o Ascendente em Aquário.