Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2017

DEUSAS MITOLÓGICAS E A ANIMA

Imagem
            AFRODITE                                                                                          PALAS ATENA    “Vemos que a anima , bem como o animus podem aparecer sob a forma de múltiplas figuras com evidencia na mitologia. Na mitologia grega, por exemplo, existem numerosas deusas. Atenas, Afrodite, Deméter, Hera e Ártemis constituem as cinco maiores deusas do mundo superior, e há ainda Core e Hécate do mundo inferior, sem mencionarmos as deusas menores como Héstia e inúmeras ninfas e gênios.  No seu artigo “ Goddesses in Our Midst” ( 1974, Deusas em nosso meio), Philip Zabriskie discute as cinco deusas do mundo superior, que ele encara como uma espécie de “ tipologia do feminino”. Cada deusa, sugere ele, é diferente e cada uma delas constitui “ uma imagem do estilo válido, antigo e autentico do feminino” . Afrodite personifica o “aspecto feminino que busca incansavelmente a união com o masculino, por causa do magnetismo er

SÍMBOLOS MITOLÓGICOS DA LUA

Imagem
Tereza Kawall     Adentrando a dimensão simbólica da Lua em civilizações remotas e em inúmeras culturas, podemos dizer que ela foi adorada e cultuada de diferentes formas, sempre evocando o princípio materno e feminino, imagem do arquétipo da Grande Mãe. Entendemos que a crença de que há uma conexão bastante peculiar entre a mulher e a Lua tem sido universalmente mantida, ou, dito de outro modo, essa foi uma experiência humana arquetípica, projetada na Lua física do céu. Em termos mitológicos, a Lua é a representação da Grande Deusa ou Grande Mãe, patrona da fertilidade, concepção e crescimento, tanto na vida vegetal, quanto animal ou humana. Como Ártemis da antiga Grécia, ou Ísis do antigo Egito, ou Shakti da cosmologia hindu, deusas mães ou divindades lunares regiam, além do ciclo anual da vegetação, o ciclo humano do nascimento, da vida e da morte. Diz Jung sobre o arquétipo materno: Como todo arquétipo, o materno também possui uma variedade incalculável de aspectos. Menc

UM SONHAR CONTÍNUO

Imagem
"É noite. À noite ficamos mais abetos, mais românticos, mais reflexivos, porque nossa atenção não é desviada por telefonemas e coisas do gênero. É um momento de reflexão descontraída, no qual os sentimentos e os aspectos reprimidos da personalidade vêem à tona. Daí o homem olha para o céu. O céu sempre foi uma das visões mais fascinantes para ele e em épocas passadas as estrelas eram figuras divinas, eram deuses. Até mesmo os bosquímanos no deserto de Kalahari vêem nas constelações celestes o Grande Caçador ou ao Grande Deus. Segundo os mitos, é o reino das estrelas que nossa alma vem e para lá retorna após a morte. Pense na história da astrologia, que se expandiu não só pelo Ocidente, mas também para a Índia, na China e em todas as civilizações mais elevadas. Todas têm suas tradições astrológicas. Os astros permitem que se prognostique o futuro não apenas de um indivíduo, mas da humanidade inteira. Na China, todo um grupo de astrólogos observava o céu dia e noite e relat