PARACELSO NA VISÃO DE JUNG


Texto sobre Paracelso do livro : O espírito na arte e na ciência.

“ O médico não deve ser apenas um alquimista, mas também astrólogo, pois um asegunda fonte de conhecimento é o firmamento ou o céu. Em Labyrinthus Medicorum, diz Paracelso: que as estrelas no céu “ devem ser agrupadas” e o médico deveria “ tirar daí a sentença do firmamento”. Sem esta arte de interpretação das constelações astrais, o médico seria um pseudomedicus. Pois o firmamento não é um mero céu estrelado cósmico, mas um corpo que, por sua vez, é uma parte ou o conteúdo do corpo humano e visível. “ Onde está o corpo, diz ele, aí também se reúnem as águias....  e onde se encontra a medicina, si se reúnem os médicos. O corpus do firmamento é o correspondente corpóreo do céu astrológico. “E uma vez que a constelação astrológica possibilita o diagnóstico, indica também a terapia”.

Isto nos leva, sem querer, a pensar na famosa expressão de KANT: “ o céu estrelado sobre mim” e a “lei moral em mim”, cujo “imperativo categórico” psicologicamente falando, substituiu de modo perfeito a heimarmene ( compulsão dos astros) dos estóicos. Não há dúvida de quem nesses caso, a intuição de PARACELSO tenha sido  influenciada pela idéia hermética básica do “céu em cima” e “ céu embaixo”.(*) Em sua concepção sobre o céu interior, ele se baseou numa imagem eterna primordial que foi implantada nele e em todos os homens e torna a aparecer em todos os templos e lugares. Em cada ser humano, diz ele, existe um céu particular, inteiro e intacto.

                                                                                        “Então um criança que é concebida já tem seu próprio céu”  “ Assim como se apresenta o céu, assim é impresso na nascimento”. O homem tem “ seu pai.... no céu e também no ar; é uma criança feita e nascida do ar e do firmamento” Existe uma línea láctea no céu e em nós. A galáxia passa pelo ventre. Os pólos e o zodíaco estão igualmente dentro do corpo humano. “Torna-se então necessário que um médico conheça, entenda e saiba os ascendentes as conjunções, a exaltação dos planetas etc e todas as constelações: conhecendo estas coisas eternamente no Pai, irá conhecê-las em todo homem, mesmo que o numero de homens seja tão grande e que vocês ( médicos) sejam muitos: onde encontrar a saúde, a doença, o começo, a saída, o fim, a morte. Assim o céu é o ser humano e o homem é o céu, e todos os homens um só céu e o céu um só homem”. O chamado Pai do céu é próprio céu estrelado”

... A medicina moderna não pode mais entender a alma como simples apêndice do corpo e por isso começa a levar cada vê mais em consideração o assim chamado “ fator psíquico”. Aproxima-se de certa forma novamente da concepção paracélsica da matéria animada pela psique, resultando daí que todo o  fenômeno espiritual do próprio PARACELSO foi outrora o pioneiro da ciência médica, parece-nos que hoje se tornou o símbolo de uma importante modificação de nossa concepção sobre a natureza da doença e sobre a essência da vida em si”

Palestra proferida por Jung em 1929, no clube literário de Zurique.

(*) PARACELSO conhecia, em todo o caso, o texto da Tabula smaradigna, que é a autoridade máxima da Alquimia da Idade Média. O texto é o seguinte:
Quod est inferius est sicut quod est superius.
Quod est superius est sicut quod est inferius.
Ad perpetranda miracula rei unius”.

Tradução:
“O que está embaixo é como o que está em cima.
 O que está em cima é como o que está embaixo.
 Para realizar  os milagres de uma só coisa”
Carl Gustav Jung, em “ O espírito  na arte e na ciência, CW 15, editora Vozes.

0 comentários: