São Francisco, o homem ecológico


Afresco de São Francisco,
Basílica de SFrancisco,
Assis, Itália




"O homem ecológico, o irmão universal que se confraterniza com tudo, que religa todas as coisas, religa as mais distantes às mais próximas.
Francisco casa os céus com os abismos, as estrelas com as formigas e faz uma síntese, das mais fascinantes e das generosas da humanidade, a partir de dentro. Une a ecologia interior com a ecologia exterior”.

“Por que São Francisco hoje? Por que a sua relevância e sua atualidade hoje? Então trata-se de buscar além da biografia e da subjetividade de Francisco; trata-se de captar o modo de ser de Francisco que é relevante para nós. Se ele tornou-se um arquétipo, isto é, se ele penetrou no mais profundo do nosso inconsciente cultural, ocidental, global, humano, significa que ele entrou na dimensão do símbolo.
Quando uma pessoa vira símbolo, ela se eterniza. Podemos até esquecer sua biografia mas ela se torna uma realidade coletiva e começa a viver no inconsciente coletivo com uma energia poderosa, que emerge continuamente em mil fulgurações.

Podemos dizer como diria Jung: É preciso despertar o São Francisco e a Santa Clara que estão sepultados dentro de nós, que estão dormindo dentro de nós. Para que eles venham à tona e nós possamos viver com aquele modo de ser que eles viveram, que é um modo de ser integrador e profundamente humanizador”.

... “ Tenho todo um filão franciscano em minha formação, em minha autoconsciência, mas talvez seja por este caminho que a humanidade encontre uma certa luz. E talvez seja nesta direção que encontraremos, quem sabe, a solução de graves problemas de preservação do planeta, de convivência das culturas que se entrechocam, da tolerância e da jovialidade no viver este momento dramático da existência. E também com alegria e serenidade enfrentar os riscos que teremos nesta travessia, com profunda certeza que o fim é bom e está garantido. Por mais que a travessia seja arriscada e tenebrosa. Isso me faz lembrar de um verso de Camões que diz:

“ Depois de procelosa tempestade,
Sombria noite, sibilante vento,
Traz a manhã serena claridade,
Esperança de porto e salvamento”.

São Francisco é uma espécie de porto e salvamento, para muitas buscas do ser humano, não somente do ser humano ocidental, mas dos ser humano planetário, terrenal.

São Francisco é um homem seráfico, quer dizer, é homem, menor, pequeno e ao mesmo tempo angelical, que transfigurou sua vida. Eu diria que ele é um homem reconciliado.
Reconciliou o dentro com o fora, o alto com o baixo, Deus com a humanidade, a dimensão angelical com as dimensões animal e vegetal do ser humano.Viveu tudo isso com uma profunda leveza”.
Do livro: Terapeutas do Deserto
Jean-Yves Leloup e Leonardo Boff
Editora Vozes.

1 comentários:

  • Adelia Ester Maame Zimeo | 9 de fevereiro de 2010 18:38

    Lindíssimo! Praticamente um tributo bem merecido à S.Francisco. Querida Tereza, veja esta outra sicronicidade: ontem, comprei uma imagem de Clara, pois chamou-me muito minha atenção, incluindo com o pensamento que vem atrás da imagem. Além, disto quando retornava do local, onde a comprei, já quando chegando perto de minha moradia, vejo um rapaz bem claro jovem, com barba, veste de franciscano e pés descalços (frade fransciscano)caminhando à minha frente. Só agora faço a ligação entre estes eventos ao entrar aqui em seu blog e encontrar estes textos aqui, fazendo menção à ele e à Clara. Que coisa mais incrível, não é mesmo? Mais evento assim entre nós... Beijo. Meu afeto.