MURRAY STEIN E A UMBRA MUNDI (3)



 RH: Jung disse que "um homem deve ser capaz de dizer que fez o possível para formar uma concepção de vida após a morte, ou criar alguma imagem dela - mesmo que confesse seu fracasso". Durante essa crise, imagino que muitas pessoas estão pensando na morte. Qual é a sua visão da morte e da vida depois?
MS: Minha opinião é que, após a morte, continuamos a existir na forma de um corpo sutil, em um domínio simbólico. Nós nos tornamos símbolos, que são reais nesse domínio e impactam este de certas maneiras. Há alguma interação com o reino material, por exemplo, na forma de sonhos ou visões e eventos sincronísticos.
Deste lado, temos vislumbres e dicas. Desse lado, parece que há algo semelhante. As janelas estão um pouco abertas entre essas duas dimensões. Ambos existem na mesma realidade unificada.
Essa é a sabedoria antiga compartilhada pelos humanos em muitas culturas, antigas e novas. Somente nossa visão de mundo moderna padrão não inclui esse outro aspecto da realidade total. Jung, é claro, conhecia muito bem essa realidade, e é por isso que ele poderia dizer que não acreditava (em Deus), ele sabia - essa é a realidade total que ele experimentou pessoalmente e escreve sobre Memórias, Sonhos, Reflexões e outros textos. Também o experimentaremos se prestarmos atenção aos sonhos e visões e tomarmos nota da sincronicidade, especialmente em torno da morte.
Em tempos como esses em que estamos vivendo agora, as pessoas frequentemente experimentam revelações em seus sonhos que lhes dizem sobre essa realidade, que se estende além desta vida, e não apenas depois, mas além, em um sentido abrangente.
Um grande sonho, como Jung o chama, oferece gnose, conhecimento de um mundo simbólico subjacente, circundante e infundido no que conhecemos no corpo físico e com nossos sentidos. Nós somos mantidos e contidos nesta realidade maior. É por isso que o escritor do Salmo diz o que faz enquanto caminha pelo vale da sombra da morte. Ele sabe que está em mãos seguras.
Minhas opiniões são baseadas nas experiências que tive na minha vida pessoal e nas que passei com analisandos.
RH: Estamos perto do final de março (2020) e o número de pessoas infectadas pelo coronavírus e que morreram em todo o mundo disparou e ainda não atingimos o pior. E, no entanto, cerca de metade do país acha que o Covid 19 é uma farsa. O que há na sombra que convida a negar?
MS: A negação é uma defesa contra pensamentos e sentimentos dolorosos e é um sinal de ansiedade subjacente. A sombra do otimismo é o medo de uma catástrofe iminente. Muitos de nós querem olhar para o lado positivo, ansiosos por crescimento, saúde e prosperidade.
Os americanos são conhecidos por seu otimismo, que pode ser uma força e uma virtude ou uma recusa em reconhecer os aspectos trágicos da vida, que são reprimidos e depois se tornam sombras. A pandemia é um teste da capacidade do ego coletivo de aceitar a realidade e agir em conformidade.
Para meu conhecimento limitado, todos os países do mundo falharam neste teste até agora, com a possível exceção de Taiwan. Eu moro na Suíça, um país famoso por sua boa ordem e eficácia, mas as autoridades aqui não registraram a ameaça do coronavírus, que estava em vista desobstruída do outro lado da fronteira na Itália. Eles demoraram a agir de acordo com o conhecimento disponível; agora, esse "país seguro" tem a maior porcentagem de residentes infectados no mundo. Os Estados Unidos estão à beira de um tsunami de pacientes, desesperadamente inundando os hospitais, e o presidente promete que tudo terminará na Páscoa. Isso é imoral, porque ele e todos ao seu redor sabem que isso é uma garantia falsa.
Mas as pessoas crerão nisso, porque isso representa suas defesas contra a ansiedade avassaladora sobre a sombra da morte pairando sobre a terra. Além disso, a sombra de uma grande depressão aparece e ameaça as bases do bem-estar econômico do país. A negação faz com que a pessoa aja muito pouco e muito tarde. O vírus não hesita em explorar essa fraqueza psicológica.
Arte tibetana ligada ao Bardo Todol
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Murray Stein é graduado na Universidade de Yale (B.A. 1965), na Yale Divinity School (M.Div.1969) e na Universidade de Chicago (Ph.D. 1985). Ele recebeu seu Diploma em Psicologia Analítica do Instituto C.G Jung em Zurique em 1973. Ele teve um consultório particular em Wilmette, Illinois de 1980 a 2003 e foi analista de treinamento no Instituto C.G Jung de Chicago. Desde 2003, ele vive na Suíça e é analista de treinamento e supervisão da Escola Internacional de Psicologia Analítica / Zurique. Atualmente, ele tem um consultório particular em Zurique, na Suíça. Ele é membro fundador da Sociedade Inter-Regional de Analistas Junguianos e da Sociedade de Analistas Junguianos de Chicago e foi o primeiro presidente da Sociedade de Analistas Junguianos de Chicago (1980–1985). ). Ex-presidente da Associação Internacional de Psicologia Analítica (2001-2004) e ex-presidente do ISAP Zurich (2008-2012). Ele é o autor de In MidLife, Tratamento do cristianismo de Jung, Transformação: Emergência do eu, Mapa da alma de Jung, Minding the Self, A Bíblia como sonho e outros livros, e é o editor da Psicanálise junguiana. Murray e sua esposa, Jan, têm três filhos, Hal, Sarah e Christopher e quatro netos.
O Rev. Robert S. Henderson é poeta, psicoterapeuta junguiano e ministro protestante ordenado em Glastonbury, Connecticut. Ele e sua esposa, Janis, psicoterapeuta, são os autores do livro de três volumes, Living with Jung: “Entrevistas” com analistas junguianos. Muitas de suas entrevistas foram publicadas no Quadrante, Spring Journal, Psychological Perspectives, Jung Journal e Harvest. Correspondência: 244 Wood Pond Road, Glastonbury, CT 06033. E-mail: Rob444 @ cox.


0 comentários: