MURRAY STEIN E A UMBRA MUNDI (1)



 Entrevista com Murray Stein, Ph.D pelo Rev. Dr. Robert S Henderson)

RH: Entramos em um momento estranho. Covid 19 virou o mundo de cabeça para baixo. Nas muitas entrevistas que você e eu fizemos, sempre tivemos muito a dizer. Existe algo nessa pandemia que nos deixou sem palavras?
MS: Sim, deixou quase todo mundo sem palavras. É um desenvolvimento tão surpreendente na comunidade global que “cisne negro” quase não é suficiente para nomeá-lo. Mas mesmo se ficarmos sem palavras por um momento, podemos pensar nisso. Foi chamado de "pandemia", o que significa que afeta todos no planeta.
O senso de “pan” (“tudo”, em geral!) É forte e ressalta a conexão de todos. Geralmente pensamos na “anima mundi” como uma presença amorosa, como uma mãe, que conecta as pessoas, mas, neste caso, é a sombra que está nos conectando. Esta é uma grande surpresa!
Ainda assim, a pandemia está trazendo um senso de comunidade a muitas pessoas, e elas estão sentindo, além da ansiedade, um senso de reciprocidade e responsabilidade uma pela outra. O que faço afeta o meu vizinho e, portanto, devemos nos tornar mais conscientes de nossas decisões e ações cotidianas. Todos os indivíduos na terra estão sendo chamados à responsabilidade.
RH: Se você acha que o “cisne negro” não é suficiente, outra imagem veio até você?
MS: A imagem que me vem à mente é uma Umbra Mundi, uma “sombra do mundo” pairando sobre nós e infectando nossas vidas psíquicas. Eu vejo essa sombra se espalhando pelo globo como um eclipse solar. O termo alquímico para isso é nigredo. O sol está coberto pela sombra da morte. É o estágio familiar que significa o início de uma transformação significativa. Nos pedem para caminhar pelo vale da sombra da morte. É bíblico. A questão é: seremos capazes de usar essa experiência para a individuação? Ou será como um pesadelo da noite que, quando acordamos, ficamos felizes em nos libertar?
RH: Como é o primeiro passo dessa caminhada?
MS: Normalmente, o primeiro passo significa entrar completamente em um estado de "confusão", com a intenção de explorar a pergunta "onde estou?" O indivíduo encontra-se em algo como um bosque escuro como Dante no início de sua jornada para o Inferno. Eles estão procurando um caminho de volta ou de saída, algo sólido, algo em que possam confiar para lhes dar luz, esperança e senso de direção. Há ansiedade aqui neste lugar escuro, às vezes à beira do pânico, e muitas vezes há uma sensação de catástrofe iminente se o caminho de volta não for encontrado, e rapidamente. Essa é a nossa hora.
As pessoas estão se perguntando: este é o fim do mundo como o conhecemos? Este é o Apocalipse? Ninguém sabe a resposta. Estamos todos no escuro, tateando, procurando. Mas o importante é dar uma olhada nesse espaço. Não há respostas "lá fora". Ninguém conhece o futuro. Talvez um guia apareça, alguém como Virgílio ou Philemon.
Também podemos perguntar: o que o inconsciente diz? qual é a sua resposta a esta situação de crise? Eu já vi vários sonhos que indicam "morte". Morte significa o fim da história, como foi contada. Então, entramos no vale da sombra da morte e prosseguimos a partir daí. Não há outra saída.
RH: Somos convidados a ficar em casa, o que pode ser um grande desafio para muitas pessoas, especialmente com tantos cancelamentos de trabalho, escola, shows, eventos esportivos. O que devemos fazer com tanto tempo em casa?
MS: Geralmente, as pessoas se queixam de não ter tempo suficiente para gravar seus sonhos, realizar imaginação ativa, ler o Livro Vermelho de Jung e assim por diante. Agora, com tempo à nossa disposição, por que não aproveitar bem a oportunidade? Essa crise passará mais cedo ou mais tarde. 18 meses é o palpite de fora agora, até que uma vacina possa ser desenvolvida e distribuída. Então, o ritmo da atividade será desacelerado rapidamente e retornará à alta velocidade. Coloque esse período de tempo em perspectiva e use-o de forma criativa.
O desafio será aprender com essa experiência e levar adiante a aprendizagem posteriormente. O que podemos extrair desse período de desaceleração e isolamento forçado que nos ajudará a encontrar um ritmo e um equilíbrio mais sábios na vida, quando as portas forem abertas e pudermos andar e correr livremente novamente? Sugiro que consideremos este momento um momento precioso em nossas vidas para olhar para dentro, para introversão e para praticar a centroversão, a circunvenção consciente do eu maior.


0 comentários: