Postagens

Mostrando postagens de 2017

CRISTO, ARQUÉTIPO DA SÍNTESE E DO SELF

Imagem
“ Porque motivo – perguntará o leitor – falo aqui de Cristo e de sua parte contrária? Falamos necessariamente de Cristo porque Ele é o mito ainda vivo de nossa civilização. É o herói de nossa cultura, o qual, sem detrimento de sua existência histórica, encarna o mito do homem primordial, do Adão mítico. É Ele quem ocupa o centro da mandala cristão; é o senhor do Tetramorfo, isto é, dos símbolos dos quatro Evangelistas que significam as quatro colunas de seu templo. Ele está dentro de nós e nós estamos Nele. Seu reino é a pérola preciosa, o tesouro escondido no campo, o pequeno grão de mostarda que se transforma na grande árvore; é a Cidade celeste. Do mesmo modo que Cristo, assim também o seu reino está dentro de nós. Acho que estas poucas referencias universalmente conhecidas são suficientes para caracterizar a posição psicológica do símbolo de Cristo. Cristo elucida o arquétipo do Si-mesmo”. Cal Gustav Jung, em AION, estudos sobre o simbolismo do si mesmo, parag 69. “A sín

UM PRESENTE PARA VOCÊ: E.BOOK SONHOS

Imagem
Tenho um presente para você que acompanha esse blog: Fiz um e.book sobre SONHOS, um tema muito precioso da escola junguiana. Com belas e inspiradora imagens, você poderá dar um mergulho nesse mundo fascinante da nossa vida inconsciente.  Você  clica no link abaixo e faz o download para salvá-lo em seus arquivos e ver quantas vezes quiser. http://escoladetransformacao.com.br/wp-content/uploads/2017/12/Ebook_SONHOS_Tereza-Kawall.pdf Aproveito para divulgar mais uma vez o curso Online introdutório de PSICOLOGIA JUNGUIANA,  que se encontra no site da  Escola de Transformação, com o principais conceitos da teoria de Carl Gustav Jung.  Você poderá assistir as aulas em sua casa, no seu tempo! Aqui vai: Http://escoladetransformacao.com.br/curso/psicologia-junguiana Quandro de John Anster Fitzgerald

A SOMBRA NA PSICOLOGIA JUNGUIANA

Imagem
                                                                     Por Tereza Kawall A Sombra vem a ser uma parte constitutiva da psique humana, e é um conceito fascinante da psicologia junguiana. De modo conciso, sabemos que a sombra está relacionada com tudo aquilo que o homem não deseja ver em si mesmo. A sombra representa o lado titânico do indivíduo, seu lado pouco civilizado, infantil, que geralmente se expressa por  pensamentos marcados por inveja, ressentimento, tendências cruéis ou destrutivas, como são a ganância e a arrogância sem limites. A sombra pode se desenvolver na infância, quando ocorrem situações de humilhação, violência ou repressão contra as quais as crianças não têm como se defender. Há também um aspecto cultural que tem a ver com o meio familiar, escolas, crenças e valores religiosos de um grupo ou sociedade.  Desta feita, a criança é refém de medos, culpas e de segredos que  podem adoecer a sua psique e seu corpo ao longo da vida. Portanto, a sombr

SONHAR É PRECISO

Imagem
Por Tereza Kawall Os sonhos são manifestações de nossa alma, e sua natureza misteriosa e desconcertante é observada em todas as culturas, há milênios. O sonho se parece com um filme estranho ou desconexo e a sua matéria prima são as imagens e os símbolos. É muito importante que não haja pressa em “ acertar” a interpretação do sonhos, pois suas mensagens nãos são óbvias, lineares e muito menos racionais. Você pode receber, acolher e refletir sobre as imagens do seus sonho, dialogar internamente com elas. O simples ato de contar um sonho para alguém já é terapêutico. Os sonhos trazem informações preciosas sobre o nosso psiquismo, e podem desencadear em nós uma nova forma de ver e entender algo relevante em nossas vidas. Essa nova visão, em si mesma, já implica em uma transformação. Ou seja, “transformar a ação” que por algum motivo naquele momento já não está mais funcionando, ou  a mudança de uma situação aparentemente sem saída. Dito de outra maneira, o símbolo quando p

CURSO PSICOLOGIA JUNGUIANA ONLINE

Imagem
Neste curso introdutório você poderá conhecer alguns dos principais conceitos  da Psicologia Analítica de Carl G. Jung. A apresentação é feita em power point, com belas imagens e de forma bastante didática.  Acompanha uma apostila com ampla bibliografia para auxiliar  os seus estudos. Você poderá fazer o curso nas horas de seu interesse, no conforto de sua casa. Para conhecer melhor o conteúdo programático acesse: www.escoladetransformacao.com.br/curso/psicologia-junguiana Tereza Kawall

A ESPERANÇA VIVE

Imagem
                                                                             Pandora carregada por Hermes Por Tereza Kawall Querendo ou não, somos diariamente atropelados por algumas palavras ou expressões que teimam em ocupar a nossa mente: polarização, sustentabilidade, planetário, corrupção, violência, implosão, empatia, gênero, corrupção, complexidade, intolerância, erosão de valores, democracia, transparência....  Pergunto-me: como seria fazer um bolo com todos esses ingredientes? O que adicionar primeiro, sal ou açúcar? Quanto tempo ficaria ele no forno, e em qual temperatura? Deveria cobri-lo com frutas, uma calda? Porem ao ficar pronto seria provavelmente seco e indigesto e certamente não tiraria a fome crescente que temos, dia após dia, de um pouco mais de paz, segurança, coerência e perspectiva de futuro.  As notícias vêm e vão, as conquistas já feitas pelo bem comum ora avançam, ora retrocedem, segundo a ótica de cada um. A tal da verdade mais se parece c

CURSO DE PSICOLOGIA JUNGUIANA ONLINE

Imagem
Comunico a todos e com muita alegria que  a segunda edição do meu curso introdutório de Psicologia Analítica está sendo lançado hoje, 30 de outubro de 2017. Caso tenha interesse acesse o link: www.escoladetransformacao.com.br/curso/psicologia-junguiana Lá você encontrará o conteúdo programático, os objetivos do curso, que é apresentado com power point, e inclui uma apostila com ampla bibliografia.  Estou apresentando e discorrendo sobre conceitos da escola junguiana, tais como: Arquétipos, Inconsciente Coletivo, Sombra, Animus e Anima, entre outros. Abraços Tereza Kawall

HORAS ARQUETÍPICAS DO COSMOS

Imagem
Tereza Kawall O céu planetário tem ângulos fortes e auspiciosos na data de hoje. Júpiter e Sol juntos e imponentes no signo de Escorpião são um convite à reflexão quanto ao nosso propósito de vida, quando temos mais capacidade de perceber quem realmente somos e o que queremos, muito além das obrigações formais do cotidiano. É quando podemos rever  ou mesmo modificar esse projeto essencial, segurá-lo com firmeza em nossas mãos, sem delegá-lo a outros, seja lá o que for. Perceber que a fé não depende de uma divindade específica a nos inspirar. Depende também e, sobretudo, de nós mesmos, de sermos capazes de nos reerguer, avançar, sejam quais forem as circunstâncias. Como diz o poeta: “ A arte de sorrir cada vez que o mundo diz não”. Saber ver a beleza do aprendizado contínuo e do caminho já percorrido. Exercitar a “ atitude simbólica” da qual fala o mestre Jung. Ou seja, adentrar e valorizar o mundo dos símbolos, cujo poder é intrinsecamente transformador em nossa psique.

ANIMUS E ANIMA

Imagem
Quadro de Marc Chagall “A mais importante contribuição que Jung deu em seus conceitos de anima e do animus reside no fato de que ele nos deu uma idéia da polaridade existente dentro de cada um de nós. Não somos unidades homogêneas de vida psíquica, mas possuímos uma inevitável oposição dentro da totalidade que forma o nosso ser. Existem opostos dentro de nós, podemos chamá-los do que quisermos – masculino e feminino, anima e animus, Yin e Yang – e eles permanecem eternamente em tensão e estão eternamente buscando união.  A alma humana é uma grande arena em que o Ativo e o Receptivo, a Luz e as Trevas, o Yang e o Yin procuram unir-se e forjar dentro de nós uma indescritível unidade de personalidade. Realizar essa união dos opostos dentro de nós pode ser muito bem a tarefa da vida, tarefa que exige o máximo de perseverança e de atenção assíduas. Geralmente os homens precisam das mulheres para isso, e as mulheres precisam dos homens. E, contudo, em ultima análise, a união do

DEUSAS MITOLÓGICAS E A ANIMA

Imagem
            AFRODITE                                                                                          PALAS ATENA    “Vemos que a anima , bem como o animus podem aparecer sob a forma de múltiplas figuras com evidencia na mitologia. Na mitologia grega, por exemplo, existem numerosas deusas. Atenas, Afrodite, Deméter, Hera e Ártemis constituem as cinco maiores deusas do mundo superior, e há ainda Core e Hécate do mundo inferior, sem mencionarmos as deusas menores como Héstia e inúmeras ninfas e gênios.  No seu artigo “ Goddesses in Our Midst” ( 1974, Deusas em nosso meio), Philip Zabriskie discute as cinco deusas do mundo superior, que ele encara como uma espécie de “ tipologia do feminino”. Cada deusa, sugere ele, é diferente e cada uma delas constitui “ uma imagem do estilo válido, antigo e autentico do feminino” . Afrodite personifica o “aspecto feminino que busca incansavelmente a união com o masculino, por causa do magnetismo er

SÍMBOLOS MITOLÓGICOS DA LUA

Imagem
Tereza Kawall     Adentrando a dimensão simbólica da Lua em civilizações remotas e em inúmeras culturas, podemos dizer que ela foi adorada e cultuada de diferentes formas, sempre evocando o princípio materno e feminino, imagem do arquétipo da Grande Mãe. Entendemos que a crença de que há uma conexão bastante peculiar entre a mulher e a Lua tem sido universalmente mantida, ou, dito de outro modo, essa foi uma experiência humana arquetípica, projetada na Lua física do céu. Em termos mitológicos, a Lua é a representação da Grande Deusa ou Grande Mãe, patrona da fertilidade, concepção e crescimento, tanto na vida vegetal, quanto animal ou humana. Como Ártemis da antiga Grécia, ou Ísis do antigo Egito, ou Shakti da cosmologia hindu, deusas mães ou divindades lunares regiam, além do ciclo anual da vegetação, o ciclo humano do nascimento, da vida e da morte. Diz Jung sobre o arquétipo materno: Como todo arquétipo, o materno também possui uma variedade incalculável de aspectos. Menc

UM SONHAR CONTÍNUO

Imagem
"É noite. À noite ficamos mais abetos, mais românticos, mais reflexivos, porque nossa atenção não é desviada por telefonemas e coisas do gênero. É um momento de reflexão descontraída, no qual os sentimentos e os aspectos reprimidos da personalidade vêem à tona. Daí o homem olha para o céu. O céu sempre foi uma das visões mais fascinantes para ele e em épocas passadas as estrelas eram figuras divinas, eram deuses. Até mesmo os bosquímanos no deserto de Kalahari vêem nas constelações celestes o Grande Caçador ou ao Grande Deus. Segundo os mitos, é o reino das estrelas que nossa alma vem e para lá retorna após a morte. Pense na história da astrologia, que se expandiu não só pelo Ocidente, mas também para a Índia, na China e em todas as civilizações mais elevadas. Todas têm suas tradições astrológicas. Os astros permitem que se prognostique o futuro não apenas de um indivíduo, mas da humanidade inteira. Na China, todo um grupo de astrólogos observava o céu dia e noite e relat

JUNG , O DESBRAVADOR DA PSIQUE

Imagem
Laurens van der Post, escritor sul-africano e herói de guerra, tornou-se amigo íntimo de Carl G. Jung, freqüentava sua casa e trocavam idéias a respeito da vida, pessoas e sobre a obra do mestre de Zurique. “ Não posso nem alimentar a pretensão de ser junguiano no único sentido que, acredito, lhe teria valido a aprovação do termo, isto é, relacionado a alguém que praticou  ou ensinou a psicologia analítica que ele liderou. Sei que Jung  o rejeitou quando usado em qualquer escala mais ampla, especialmente como um rótulo por parte de discípulos, tendo externado suas objeções repetidas vezes com o desembaraço verbal que lhe era peculiar. Não gostava da idéia de ter discípulos ou seguidores cegos, e nem mesmo uma escola, e, em sua velhice concordou relutantemente com a criação do Instituto Carl G. Jung, em Zurique, para os estudos ligados ao seu próprio enfoque de psicologia. Recordo-me bem quando afirmou que o Instituto vingaria caso não extrapolasse os obje

ASTROLOGIA ARQUETÍPICA

Imagem
ASTROLOGIA ARQUETÍPICA  Por James Hillman " Diferentemente do seu comportamento com o seu trabalho ( do astrólogo) e da defesa do seu campo, meu comportamento é somente com um interesse permanente, um amor até, pela astrologia como um fenômeno arquetípico, quer dizer, difundido, eterno, emocionalmente sedutor, profundamente ressonante e generativamente fértil - e também poderosamente sedutor. Consequentemente, por causa destas qualidades, o termo arquetípico é apropriado para esse campo. Se for arquetípica, a astrologia veio para ficar, porque não desaparece, deve ser arquetípica. E ela não desaparecerá". ...Tal convicção veio com aquela primeira leitura que fiz para estudar a astrologia. Esse interesse permanente, essa fascinação, esse amor nunca me deixou. Ao mesmo tempo devo deixar claro para vocês que não acredito nela, não a pratico, nem mesmo entendo como " funciona", embora a astrologia seja uma das minhas linguagens básicas para a

ASTROLOGIA : SEMPRE ATUAL

Imagem
Hermes, o mensageiro dos deuses, com seu capacete alado, suas sandálias aladas e o caduceu " Não resta duvida para mim, de que a astrologia é o meio mais exato e abrangente de compreender a personalidade, o comportamento, a mudança e o desenvolvimento do ser humano. Muitas vezes me perguntaram por que a astrologia tem presenciado tal renovação da popularidade nos últimos anos. Penso que parte da resposta está no fato de que a cultura ocidental já não tem qualquer mitologia viável para sustenta-la. Em qualquer cultura, o mito sempre atua com uma realidade maior, mais universal.  As pessoas sempre tiveram necessidade de um modelo para  servir de guia às suas vidas coletivas e para dar significado à sua experiencia individual. Neste sentido, a astrologia contém toda uma estrutura mitológica. O professor Joseph Campbell  escreve:  " O homem não pode se manter no universo sem acreditar em alguma arrumação da herança geral do mito. De fato, até mesmo a plenitude de sua vi

O QUE É UMA SINASTRIA?

Imagem
  VOCÊ SABE O QUE É UMA SINASTRIA?          “O encontro de duas personalidades é como o contato de duas substâncias químicas; se     houver alguma reação, as duas serão transformadas.” Carl G Jung A palavra SINASTRIA vem do grego  SYN , que significa “ junto” e ASTROS , que, como sabemos, são estrelas. A Sinastria , dentro do saber astrológico, é uma técnica de análise e compreensão feita partir de dois mapas astrológicos individuais, que são analisados lado a lado. O objetivo da Sinastria é entender como o campo vibratório de uma pessoa afeta o campo vibratório da outra. Essa interação, dada pelos símbolos astrológicos, pode se dar em vários níveis: físico ou vital, intelectual, emocional, espiritual, etc. Essa análise pode ser feita entre casais, pais e filhos, sócios,  todas as relações ou parcerias em geral. Em nossa vida cotidiana percebemos isso às vezes de forma mais intuitiva, quando nos sentimos compreendidos, alegres, vitalizados junto a uma d

BRASIL: UM OLIMPO EM DECADÊNCIA

Imagem
Por Tereza Kawall J á disse alguém uma vez: “ Mito é uma história que nunca aconteceu, mas está sempre acontecendo”. O que há de verdade nisso? Ao que parece, para um olhar mais distraído e imediatista, nada. Para um olhar mais reflexivo e abrangente, tudo. O Brasil, nosso promissor e amado pais é realmente pródigo em desacontecimentos. Desde minha infância ouço que somos o país do futuro e com o passar dos anos fica claro que a premissa em questão é no mínimo, equivocada. Não poderia fazer nenhum tipo de análise sócio-político-econômica a esse respeito, pois não tenho conhecimentos para tal tarefa. Assim, me detenho aos fatos de forma mais subjetiva, no intuito de tentar entender o que se passa no âmago da psique daqueles que, uma vez instalados no poder, de lá nunca mais querem sair. Que “ osso” é esse tão saboroso que ninguém pode largar? Como vivem esses seres humanos, será que têm remorso ou culpas por inviabilizar a vida de milhões de pessoas de diferentes maneiras?

O SELF E A LUZ CIRCULAR

Imagem
Marie-Louise von Franz O Si-mesmo (Self)  só é real se, em cada momento – pelo menos teoricamente,pois na realidade nunca se atinge esse estágio – a pessoa estiver constantemente em ligação com ele, expressando-o constantemente e  sabendo o que é.  Portanto, pode-se afirmar que o Si-mesmo só se torna real quando é expresso nas ações da pessoa no espaço e no tempo. Antes de ter atingido esse estágio, ele não é inteiramente real, tornando-se então uma coisa movediça. Por exemplo: o que está certo hoje pode estar errado amanhã, sendo por isso que alguém que atingiu esse estado de consciência será imprevisível e age sempre de modo diferente nas mesmas situações. Hoje, a coisa é assim e a pessoa reagirá de uma maneira; amanhã ocorrerá a mesma situação e a pessoa reagirá de forma diferente, e, portanto o tempo adquire uma qualidade criativa; cada momento do tempo é uma possibilidade criativa e não existem mais repetições. Assim, quando o sol e a lua se unem, começam simul

ARQUÉTIPOS MATERNO E PATERNO

Imagem
"Não foi por acaso que escolhi precisamente o exemplo  de uma manifestação infantil do arquétipo. A imagem primitiva mais imediata é certamente a da mãe, pois ela em todos os sentidos a vivencia mais próxima e mais poderosa que atua no período mais impressionável da vida humana. Como a consciência está muito pouco desenvolvida na infância, não se pode falar propriamente de uma vivencia “individual”. Ao contrario, a mãe é uma evidencia arquetípica. A criança vivencia de modo mais ou menos consciente, e não como uma personalidade determinada, individual, e sim com a mãe, um arquétipo carregado de uma infinidade de significados possíveis. No decorrer da vida esta imagem empalidece e é substituída por uma imagem consciente, relativamente individual, considerada a única imagem materna possível. Mas no inconsciente a mãe continua sendo uma poderosa imagem primitiva, que, no curso da vida individual  e consciente, passa a colorir e até a determinar as relações com a mulher , a socie