OS QUATRO TIPOS PSICOLÓGICOS DE JUNG



OS QUATRO TIPOS PSICOLÓGICOS (2)
“ Quando JUNG publicou “ Tipos psicológicos”, em 1921, Freud foi um dos primeiro s ler – e rejeitá-lo como “ a obra de um esnobe e místico, nenhuma idéia nova(...) Não há grande dano a se esperar desse lado”. O livro é, com Freud também notou, “ enorme, com 700 páginas”.
A principal objeção que ele levantou era que JUNG ainda estava insistindo, como fizera desde a publicação de “Símbolos da Transformação”, em 1913, que não poderia haver “ verdade objetiva” na psicologia, por causa das “ diferenças pessoais na constituição do observador”, ou, como JUNG agora a definia, na “ tipologia”. Jung escrevera Tipos Psicológicos pensando na primazia do sexo, para Freud, e do poder, para Adler, e expressou com avidez suas diferenças em relação a ambos.

Num sentido muito real, a gênese do livro ocorreu em torno de 1913, quando Jung se separou da ortodoxia freudiana; é razoável dizer que a obra inteira, até a publicação de 1921, pode ser lida como observações sobre uma teoria da tipologia unificada, que iria surgindo aos poucos. A sombra de Freud pesa sobre o trabalho, a partir do momento que a extroversão deste e a introversão do próprio Jung fornecem uma explicação conveniente para o fato de eles não terem conseguido controlar as divergências.

(...) O livro é uma espantosa compilação das leituras extensivas de Jung, mas não há referência alguma ao que ele lera antes de escrever Símbolos de Transformação. Simplesmente examina o problema dos tipos como ele ocorre nos diversos textos que serviriam de esteio durante os muitos anos futuros, as referencias-padrão que ele repisava incessantemente para sustentar suas posições teóricas. Por sorte, escolheu bem, porque selecionou obras que eram as melhores em poesia, psicopatologia, estética, filosofia moderna e biografia ( entre outras áreas).

Dedicou um capitulo aos tipos de William James, especialmente aos pares característicos de opostos, “ mentalidade rígida” e ‘ mentalidade suave” que examinou de muitos modos diferentes. Reconheceu que o problema dos tipos fascina a humanidade desde sempre, das antigas astrologia, quiromancia, frenologia, fisiognomonia e grafologia aos mais recentes, como Wilhelm Ostwald e Otto Weininger. Jung admitiu que escolhera escrever apenas sobre aquelas teorias que sustentassem a sua idéia, mas não insistiu que essa era “ única teoria dos tipos verdadeira ou possível”.

(...) Jung guardou a própria tipologia para o ultimo capitulo, que compreendia as cerca de 150 páginas finais do texto. Às “atitudes’ do introvertido e do extrovertido, ele acrescentava ainda outras quatro diferenciações chamadas de funções. Agora adotar as sugestões de Schmid e Toni Wolff, e deu ao “ sentimento” e ao “ pensamento condição igual à “ intuição” e “ sensação”. Agrupou sentimento e pensamento sob a rubrica de “ racional’ enquanto a sensação e a “ intuição tornaram-se “ não racionais”.
Reconhecia também a importância das funções não racionais para o desenvolvimento da psique, porque elas permitiam um conhecimento a priori, algo que ele captara, mas que não conseguira fisgar, no diálogo com Schmid. “ Uma teoria sobre os tipos deve ser mais sutil”, acreditava ele, e, em seu esquema, as duas atitudes e as quatro funções permitiam um total geral de oito tipos psicológicos possíveis.

Nos anos que se seguiram à publicação de 1921, várias vezes perguntaram a Jung por que ele propusera um sistema composto de dois tipos, quatro funções e oito tipos possíveis. “ Quem existam exatamente quatro, esta é uma questão de fato empírico”, era sua reposta consistente:
“As quatro funções são mais ou menos como os quatro pontos cardeais; são arbitrários, mas também indispensáveis. Nada impede que mudemos os pontos cardeais tantos graus quantos queiramos, numa direção ou na outra, e nada nos impede de lhes dar nomes diferentes. É apenas uma questão de convenção e de capacidade de compreensão”.

JUNG – uma biografia (Volume l)
Deirdre Bair, Editora Globo, pag 371
Imagem dos os 4 pontos cardeais, 4 funções, 4 estações e 4 elementos.

0 comentários: