THE VOICE: SAWYER FREDERICKS É ÚNICO



Tereza Kawall

Sawyer Fredericks é uma surpresa, é único. Fiquei emocionada com a sua vitória.

De forma mais ou menos óbvia, podemos afirmar: é um garoto, de 16 anos, de natureza simples, de origem igualmente simples. Seu talento indiscutível o lançou a um alto patamar artístico, invejável a milhares de jovens da área musical, cantores, iniciantes ou não.
Em meio a uma época em que uma feroz competição produz fenômenos artísticos por vezes bizarros e duvidosos, em todos os sentidos, do mais medíocre ao mais sofisticado, gostemos ou não, tudo torna-se possível.

Sawyer encarna o "não padrão" midiático contemporâneo norte americano. As performances de inúmeros cantores, em todos os gêneros musicais são mais ou menos previsíveis, embalados por coreografias em corpos prá lá de sarados, recursos visuais abundantes. O ritmo aceleradinho das imagens acaba por ganhar o espaço que a meu ver deveria ser destinado a mais música, mais letras e melodias...
( Ok, gosto não se discute, mas esse não é o meu).

Sawyer é único.
Parece ter chegado aqui vindo de outro planeta ou estrela distante.
Na doçura de seu sorriso e no brilho de seu olhar transparece aquilo que só vemos nas crianças pequenas: ingenuidade e pureza.
Sua voz é marcante, límpida e forte.
Sua presença é mágica  e ao mesmo tempo despojada.
Não há  ali qualquer esforço para fazer ou ser algo que não se é.
Toca violão; não dança, não tem trejeitos.
Coloca uma das mãos em cima do seu coração, pois é ali que a coisa toda acontece.
Nunca é demais lembrar que vocação quer dizer: o chamado do coração...
Emana um magnetismo indiscutível, difícil de se definir em palavras, uma jóia rara.

Sawyer faz aquilo para o qual está destinado a fazer: cantar para a alma.
Meus olhos e ouvidos cansados e impregnados de estímulos maçantes e midiáticos 
agora estão alegres!

Sawyer, sua voz canta, sua aura encanta!