DESVENDAR A SI MESMO


Por Tereza Kawall

Num dia em que Jupiter em Cancer faz trígono com Sol e Netuno em Peixes, e com a Lua em Escorpião, imersão em águas de emoções agridoces....

E assim, vão transcorrendo os dias
Céleres como as águas do rio depois da chuva
Rápidos como nuvens levadas pelos ventos
em dias límpidos, quando
o pulmão sente o frescor do ar frio, pentrando as narinas.
Estas, por sua vez, aspiram novidades
que ainda se escondem por aí e , ainda não reveladas, mas pressentidas.

Um pássaro voa de lá prá cá
Em busca de outro galho, da volta para o ninho, quiçá um pouco de comida.

Assim também os pensamentos passeiam instáveis,
e vão pousando em nossas mentes por breves momentos,
Para depois alçar vôo.

No incansável vai e vem da existencia, dizem os mestres: " Isto também passará".
Somos passantes,
Somos nascentes, de águam, luz e escuridão.
Transeuntes das calçadas atemporais
e às vezes infernais da vida.
Os passos buscam por um quê de automatismo
Ou um quê de outros significados.
E nunca param, pois o movimento, seja para trás ou para frente é inerente
ao longo processo do viver e do morrer.

Em ziguezague, para cima e para baixo, não importa,
Um espírito inquieto
Vai chorar e se alegrar para sempre
A espreita de algum sonho ou mistério insondável

E se render aos segredos divinos
Que se mostram delicada e espontaneamente,
Mas nunca totalmente.

0 comentários: