O FUTURO NOS ESPERA




O futuro nos espera



Uma lenda oriental conta como um grupo de deuses teve um encontro para decidir onde esconder da humanidade a “ a verdade do Universo”.
O primeiro deus sugere escondê-la no fundo do oceano, mas os outros intervêm dizendo que as pessoas construiriam um submarino para tirá-la de lá. Um segundo deus sugere escondê-la no céu, num planeta distante da Terra, porém os outros deuses ponderam que uma nave pode ser construída para alcançar tal destino também. Finalmente, um terceiro deus sugere que eles pendurem a verdade em torno do pescoço de cada ser humano. Os outros deuses concordam que as pessoas nunca procurarão pela verdade num local tão óbvio. E então todos fazem como terceiro deus sugeriu.


Quando olhamos para o mundo para restaurar nossa paz mental, resgatar nossas esperanças perdidas ou para nos dizer como viver, pode ser que nunca encontremos a verdade que buscamos, pois ela está enterrada bem dentro de nós.
Porém, esse também é o aspecto de nós mesmos que projetamos nos outros: somos o que doamos. A idéia de que todas as nossas soluções residem em nós é sábia e profunda, mas nunca deveria ser entendida como se existissem dois eus, o externo e o interno, e que, contanto que o eu interior seja forte, ousado e eloqüente, leal ou sensível, o eu exterior pode ser deixado por conta de seus esquemas puramente funcionais – ganhar a vida, lavar o carro e a louça. A realidade é que formas verdadeiras de relaxamento não estagnarão em seu eu interior privado, mas irradiarão para o mundo externo, transformando o seu ser público , exterior, - e, cedo ou tarde, transformando também os outros.

Não podemos determinar exatamente o que acontecerá amanhã ou depois de amanhã, nem daqui a vários anos, mas podemos colocar energia positiva em movimento, esperando que por fim ela volte para nós.
Os círculos criados quando alguém joga uma pedra no meio de um lago se irradiam num crescendo até atingirem as bordas do lago, de onde começam a voltar ao centro, flutuando em suas complexas correntes cruzadas. Do mesmo modo, as bênçãos que enviamos para o mundo retornarão para nós. O que semeamos, colhemos: o princípio do Karma. Projetamos nossa forte e confiante virtude no desconhecido, como uma oração elevando-se em seu percurso para a divindade. Mais dia, menos dia, a oração é recompensada com revelações.


Devemos nos confrontar, entender quem somos, encontrar valor em nós mesmo e agir de acordo com esse valor. Se seguirmos por essa via de autoconsciência em direção ao contentamento, em vez de fugirmos para fontes escapistas de relaxamento, nossa energia positiva se transmitirá para o futuro.
E toda vez que chegarmos ao futuro veremos que ele estava ali o tempo todo esperando por nós – aprontando-se para nos receber em nome de tudo o que pensamos, dissemos ou fizemos no passado.

Mike George
Do livro: aprenda a relaxar
Editora Gente, SP.

0 comentários: