UTOPIA É CAMINHAR













Eduardo Galeano, escritor uruguaio com mais de 70 anos, afirma que temos o direito de sonhar e o direito de delirar.

Que tal se delirarmos por um tempinho
Que tal fixarmos nossos olhos mais além da infâmia
Para imaginar outro mundo possível?

O ar estará mais limpo de todo o veneno que
Não provenha dos medos humanos e das humanas paixões.

Nas ruas, os carros serão esmagados pelos cães.
As pessoas não serão dirigidas pelos carros
Nem serão programadas pelo computador.
Nem serão compradas pelos supermercados
Nem serão assistidas pela TV,
A TV deixará de ser o membro mais importante da família,
Será tratada como um ferro de passar roupa
Ou uma máquina de lavar.

Será incorporado aos códigos penais
O crime da estupidez para aqueles que a cometem
Por viver só para ter o que ganhar
Ao invés de viver simplesmente
Como canta o pássaro em saber que canta
E como brinca a criança sem saber que brinca.

Em nenhum país serão presos os jovens
Que se recusem ao serviço militar
Senão aqueles que queiram servi-lo.
Ninguém viverá para trabalhar.
Mas todos trabalharemos para viver.

Os economistas não chamarão mais
De nível de vida o nível de consumo
E nem chamarão a qualidade de vida
A quantidade de coisas.

Os cozinheiros não mais acreditarão
que as lagostas gostam de ser fervidas vivas.
Os historiadores não acreditarão que os países adoram ser invadidos.
Os políticos não acreditarão que os pobres
Se encantam em comer promessas.

A solenidade deixará de acreditar que é uma virtude,
E ninguém, ninguém levará a sério alguém que não seja capaz de rir de si mesmo.

A morte e o dinheiro perderão seus mágicos poderes
E nem por falecimento e nem por fortuna
Se tornará o canalha em virtuoso cavalheiro.

A comida não será uma mercadoria
Nem a comunicação um negócio
Porque a comida e a comunicação são direitos humanos.
Ninguém morrerá de fome
Porque ninguém morrerá de indigestão.

As crianças de rua não serão tratadas como se fossem lixo
Porque não existirão crianças de rua.
As crianças ricas não serão como se fossem dinheiro
Porque não haverá crianças ricas.

A educação não será privilégio daqueles que podem pagá-la
E a polícia não será a maldição daqueles que podem comprá-la

A justiça e a liberdade, irmãs siamesas
Condenadas a viver separadas
Voltarão a juntar-se, bem agarradinhas,
Costas com costas.

Na Argentina, as loucas da Plaza de Mayo
Serão um exemplo de saúde mental
Porque elas se negaram a esquecer
Os tempos da amnésia obrigatória.

A Santa Madre Igreja corrigirá
Algumas erratas das Taboas de Moisés,
E o sexto mandamento mandará festejar o corpo.
A Igreja ditará outro mandamento que Deus havia esquecido:
“ Amarás a natureza, da qual fazes parte”

Serão reflorestados os desertos do mundo
E os desertos da alma
Os desesperados serão esperados
E os perdidos serão encontrados
Porque eles são os que se desesperaram por muito esperar
E eles se perderam por tanto buscar.

Seremos compatriotas e contemporâneos
De todos o que tenham
A vontade de beleza e vontade de justiça
Tenham nascido quando tenham nascido
Tenham vivido onde tenham vivido
Sem importarem nem um pouquinho
As fronteiras do mapa e do tempo.

Seremos imperfeitos
Porque a perfeição continuará sendo o aborrecido privilégios dos deuses
Mas neste mundo, trapalhão e fodido,
Seremos capazes
De viver cada dia como se fosse o primeiro
E cada noite como se fosse a última.

SIGA SEU CORAÇÃO: STEVE JOBS

"Às vezes, a vida bate com um tijolo na sua cabeça. Não perca a fé. Estou convencido de que a única coisa que me permitiu seguir adiante foi o meu amor pelo que fazia. Você tem que descobrir o que você ama. Isso é verdadeiro tanto para o seu trabalho quanto para com as pessoas que você ama".

"Seu trabalho vai preencher uma parte grande da sua vida, e a única maneira de ficar realmente satisfeito é fazer o que você acredita ser um ótimo trabalho. E a única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz".

"Se você ainda não encontrou o que é, continue procurando. Não sossegue. Assim como todos os assuntos do coração, você saberá quando encontrar. E, como em qualquer grande relacionamento, só fica melhor e melhor à medida que os anos passam. Então continue procurando até você achar. Não sossegue".


"O seu tempo é limitado, então não o gaste vivendo a vida de um outro alguém.
Não fique preso pelos dogmas, que é viver com os resultados da vida de outras pessoas".

"Não deixe que o barulho da opinião dos outros cale a sua própria voz interior.
E o mais importante: tenha coragem de seguir o seu próprio coração e a sua intuição. Eles de alguma maneira já sabem o que você realmente quer se tornar. Todo o resto é secundário".
Rio Franklin, Austrália.

A pedra no rio

Mike George

Na filosofia daoísta, o rio é uma metáfora da vida por estar em fluxo constante. Em seu caminho, o rio pode carregar seixos imensos, desgastar um banco pedregoso e mover enormes turbinas. Nada detém a passagem do rio, pois a água é suficientemente fluida para envolver e ultrapassar qualquer obstáculo.
Para viver uma vida de contentamento, podemos aprender lições com o rio, obtendo força pela via de menor resistência.
Nas palavras contidas no Dao de Jing, a coleção clássica de aforismos que compõe a base do daoísmo, “a gentileza prevalece sobre a rigidez”.

Muitas pessoas acreditam que o caminho mais rápido seja o melhor: quanto mais rápido conseguirmos completar uma tarefa, mas cedo iniciaremos a seguinte. Assemelhamo-nos menos aos rios que fluem calmamente e mais às quedas d’água, que formam rodamoinhos e espirram, como violência suas brancas espumas sobre os obstáculos que encontram pela frente...
Quando alcançamos a nossa meta, estamos desgastados e exaustos de tanta luta pelo sucesso.

Os daoístas acreditam que a tentativa de a humanidade impor ordem na Terra é o caso de um intelecto em luta vã contra a natureza. O resultado é o estresse. De acordo com a ordem natural das coisas, um rio e tudo que um rio carrega fluirão em direção ao mar. Para conseguir tal relaxamento, devemos aceitar o fluxo natural da vida ( nós somos esse fluxo) e nos deixar conduzir – e não lutar nadando contra a correnteza ou querendo que o fluxo se mova mais rápido.
Se nos rendermos ao fluxo do rio, a vida nos conduzirá aonde queremos ir.
Talvez leve um pouco mais de tempo do que esperávamos e a experiência pode parecer estranha no início.
Com o tempo, porém, e confiando no fluxo do rio, aprenderemos a arte da aceitação.
Quando paramos de lutar contra os obstáculos, nosso potencial para o crescimento se amplia.

Estraído do livro:Aprenda a relaxar

De: Mike George

Editora Gente,SP

IMPERMANÊNCIA



A verdadeira consciência do eu é ver e aceitar o completo ciclo de vida de mudanças - que é a lagarta, o casulo, e então, a borboleta; assim como o alquimista que usa o chumbo para fazer ouro e a luz do dia que sempre segue a noite.
Uma perspectiva espiritual dá uma compreensão dessa história completa e o permite ver a história de algum lugar "fora de" ou "além de" você, sem se prender muito a qualquer pormenor.
Isso lhe permite ver fraqueza e força com equanimidade e estabilidade: vendo a fraqueza como uma realidade temporária, mas não a parte final da verdadeira identidade; é ver a fraqueza como o avesso da força e estar sempre fazendo a escolha para se mover de encontro à luz, movendo-se para o ouro e movendo-se para o vôo.

Lesley Edwards
www.bkwsu.org/brasil