James Hillman e a Astrologia

James Hillman




" Para mim, a Astrologia simplesmente devolve os eventos para os Deuses. Ela depende de imagens tiradas dos céus. Ela invoca um sentido politeísta, mítico, poético, metafórico do que é fatalmente real. É isto que torna a astrologia eficaz como um campo, como uma linguagem, como um modo de pensar. Ela é quem traz para o pensamento popular a grande tradição que mantém que todos nós participamos de um cosmo inteligível, desta maneira dando a questões humanas respostas maiores que as humanas. força-nos a imaginar e pensar em termos psicologicos complexos. Ela é politeísta e consequentemente, move-se em oposição ao pensamento dominante da história ocidental".



" Quero enfatizar essa idéia de lugar. Um ser humano está posicionado; um mapa está posicionado. O momento atual se dá sempre em algum lugar. Esse lugar não é um mero conjunto geográfico de coordenadas, longitudes e latitudes. Esse lugar é também uma cultura, uma natureza, uma história, uma política, uma geografia, uma linguagem, um estilo de caráter.


O lugar não é um acidente de nascimento, mas aquele lugar particularmente singular que, disse o neoplatonico Plotino, a alma escolheu como uma de suas quatro escolhas básicas: seus pais, seu corpo, suas circunstâncias, e seu lugar de entrada nesse muindo. Onde alguém está e onde alguém entrou no mundo parece ser de importância para a alma. E este "onde" relaciona-se distintamente com toda generalidade e aspectos comuns que os astrólogos usam ao ler um mapa".


Extraído do paper:


" O Céu retém em sua esfera metade de todos os corpos e enfermidades" ( Paracelso)

0 comentários: