Melodia do Cosmos: Trânsitos e Progressões Planetárias



Trânsitos e progressões: a melodia do cosmos, a música das esferas que orientam nosso crescimento e revelam o significado das experiências que passamos. A astrologia em si, é teleológica, pois aponta na direção de um propósito e de uma finalidade, o sentido para estarmos aqui. Cada um de nós deverá achar o seu próprio sentido para o viver.


“Tanto os trânsitos quanto progressões indicam a realização de várias fases dessa intenção original ( mapa de nascimento). Embora eu penetre com freqüência no vocabulário causal, não acredito que os planetas “ causem” qualquer coisa.
Eles meramente são signos da manifestação da intenção original, parte da qual é experimentada como vontade fluindo através de você. Essa é a intenção da qual você tem consciência. A outra parte da intenção é experimentada como o que vem de fora; você pode chamar isto de fatalidade, destino ou circunstancia fora do seu controle. Mas isto também vem de dentro de você, e tudo o que precisa para saber disso é aumentar a sua consciência. Parte da função da astrologia é elevar a consciência do indivíduo nessa direção”.
Robert Hand“ Os trânsitos e progressões revelam o que o Eu interior quer fazer para nós- o que o Eu profundo pretende trazer à nossa atenção para desenvolvermos ou trabalharmos. Para cooperarmos com o nosso crescimento e desenvolvimento interiores, precisamos ouvir o que se passa dentro de nós”
Howard Sasportas.“ O astrólogo humanista usa ambos, transito e progressões ou direções - mas os define em categorias distintas. Visto que esse livro trata principalmente dos trânsitos, não se encontrará aqui nenhuma discussão prolongada a respeito de progressões. Basta dizer que, do ponto de vista humanístico, elas se referem essencialmente a um processo interno ou subjetivo do desenvolvimento individual. Elas se relacionam com as transformações graduais que ocorrem à medida que o propósito e o caráter do indivíduo, revelados em seu mapa de nascimento, realizam-se através da própria vida.
As progressões mostram a maneira pela qual toda a estrutura natalícia se desenrola por si mesma, segundo a necessidade individual e o ritmo do seu desenvolvimento, de modo que aquilo que no nascimento é uma entidade arquetípica abstrata pode tornar-se, aos poucos, uma pessoa plenamente realizada e integrada.
Isto não acrescenta nenhuma pressão interior;essa pressão é provocada pelos trânsitos. As progressões referem-se às transformações do ritmo do próprio EU, ao passo que os trânsitos dizem respeito ao impacto do meio ambiente, como um todo, sobre o EU.

Embora ninguém tenha liberdade para mudar o seu potencial de existência ( seu mapa de nascimento), o indivíduo é livre para decidir o que fará com esse potencial.
Na realidade, todos nos fazemos parte um ambiente coletivo, e nosso sucesso individual, na realização do nosso potencial, depende desse coletivo.


Considerações planetárias, raciais, sociais, culturais e familiares exercem, todas elas, pressões constantes e poderosas, especialmente nos anos de infância; embora forneçam materiais brutos para o crescimento da mente consciente e para o desenvolvimento necessário de um senso de individualidade, elas, por outro lado, podem obscurecer, sufocar, distorcer ou adulterar o potencial de nascimento,
Essas pressões externas são medidas pelos ciclos dos trânsitos, que mostram como a mente consciente poderá ser desenvolvida por meio da experimentação de uma multidão de impactos e relacionamentos.

O potencial de nascimento – a essência arquetípica do EU – permanece aquilo que é desde o começo até o fim da vida. É o fator permanente que existe em cada individuo – a forma-semente do seu ser e do seu destino. Tudo o que, durante a vida, cerca esse individuo tenderá a mudar a qualidade do seu ser essencial. Dia após dia sua integridade será ameaçada.

....Resumindo: as progressões relacionam-se com o desenvolvimento interna da personalidade, ao passo que os trânsitos se referem essencialmente ao impacto externo da sociedade e do cosmos sobre s essa personalidade. Nenhum dos dois deverá ser considerado isoladamente.Uma pessoa nasce como uma semente de potencial sem paralelo. O universo, contudo, não se detém nesse instante do nascimento. Todas as coisas que ocorrerão no universo a partir desse momento, exercerão também, astrologicamente, na forma de trânsitos, uma influência sobre essa personalidade em desenvolvimento,e esta deverá reagir a eles. Este é o sistema eterno.
O homem não é prisioneiro do destino. Novas situações surgem no universo a cada momento que se sucede, mas ninguém é obrigado a reagir a elas de maneira predeterminada.
Sua liberdade está aí, mas ele deve escolhê-la”.Alexander Ruperti, em Ciclos de Evolução- Modelos planetários de desenvolvimento.

0 comentários: