Hora de agir


Por Tereza Kawall
Que estamos vivendo tempos bicudos ninguém mais duvida. Nestes anos de 2010, 2011, ou 2012 nosso amado planeta estará passando por alinhamentos planetários bastante tensos, e que já estão mostrando esse período de turbulências no mundo, instabilidades sociais econômicas crescentes, temores de uma grande guerra, ações mais violentas e radicais que se banalizam no nosso estressado cotidiano. Há tantos e tantos seres humanos que não tem comida, roupa, moradia ou simplesmente água para beber. O que fazer, afinal?

É preciso ser resiliente, criar uma “musculatura interior”, uma forma de atravessar as dificuldades com mais determinação e flexibilidade. Somos todos co-autores da nossa realidade e isso exige mais atenção e AÇÃO.
Logo, em abril de 2011, teremos muitos planetas no signo de Áries, que me faz pensar que ações são verbos, fazer acontecer algo.
Assim em sintonia com o “ céu que nos protege”, precisamos fazer mais, tomar iniciativas, sair do discurso e partir para ação. Dentro do espírito da sincronicidade do deus Marte, que rege Áries, “ ir à luta” parece ser um caminho bem adequado. Não contra alguma coisa ou alguém, mas a favor da gente mesmo e das coisas que acreditamos.

Sempre que possível:

PROJETE: coisas boas e positivas para o seu dia logo que acordar. Acredite no poder das imagens que você criou.

RESPIRE: profundamente, sempre, lembrando que este foi o seu primeiro ato ao chegar aqui e que será também o último na hora da sua partida.

ALONGUE: seu corpo e seu espírito, eles são uma coisa só. O “alongamento” espiritual permite olhares diferentes para as mesmas coisas.

AME: amar é prestar atenção.

CUIDE: de alguém, de um animal, converse com as plantas, e cheire as flores, olhe suas cores, são maravilhas instantâneas e gratuitas!

CULTIVE: a gentileza com pessoas próximas, pequenos milagres surgem com um simples sorriso.

NAMORE: a vida, pessoas, lugares novos e coisas bonitas.

RECICLE: lixo, amigos chatos, roupas velhas, pensamentos paralisantes ou inúteis.

PEÇA: ajuda quando precisar: a telepatia é uma coisa bacana, mas poucos sabem praticá-la.

APROVEITE: todas as oportunidades para dar uma boa risada!

COMPRE: mais saúde e menos coisas desnecessárias.

ANDE: mais a pé, não importa o lugar, observe as coisas que não pode ver dentro do carro em movimento.

DECRETE: o fim dos modelos e ideais de beleza e riqueza.

DESLIGUE A TV: telefone para alguém querido, será bem mais interessante.

IMPROVISE: quando aquilo que foi combinado não deu certo.

REIVINDIQUE: seus direitos, e se livre do: “Ah, não adianta mesmo”

RECLAME : menos, olhe mais à sua volta.

FALE: sobre coisas interessantes que aconteceram.

ELOGIE: as pessoas gostam e você também.

VÁ SE LIVRANDO: do: “tenho que”, compulsivo que neurotiza a vida, nos deixa culpados.

VALORIZE:o caminho já percorrido, as conquistas feitas.

MEDITE: ao menos 15 minutos por dia. Tempo é preferência!

ANOTE : seus sonhos – o que eles te dizem?

PRATIQUE: o altruísmo, não custa nada e rende muito para a alma.

ADMITA: que é carente, sim, qual o problema? Todos somos.

DESLIGUE: o celular quando estiver fazendo uma refeição; coma só a comida.

PERDOE: os invejosos, perdoe a você mesmo/a.
“O perdão é perfume das violetas que estão sob o sapato que as esmagou”.

CONFIE: no Universo que é generoso, e em pessoas de têm um bom coração.


Pois.... LA NAVE VA.

Veja mais na matéria sobre resiliência: “A arte de dar a volta por cima”, revista Planeta.
http://www.terra.com.br/revistaplaneta/edicoes/449/artigo163974-1.htm

2 comentários:

  • Anônimo | 25 de março de 2011 22:54

    não tenho dúvida. hj mesmo usei essa palavra: resiliencia, pra descrever o poder do pov japonês em voltar 'ao normal'. vide a estrada noticiada hj, reconstruida depois de 2 semanas, e no silêncio. nossa marginal, depois de 2 anos, é o q é...vamos adiante, agindo.

  • Maria Aparecida Ribeiro | 26 de março de 2011 09:44

    Ótimo texto e uma belíssima reflexão sobre a resiliência. Essa atitude de "dar um tempo" às pessoas, às coisas e a nós mesmos é fundamental para que a gente se sinta melhor, mesmo tendo passado por situações difíceis.
    É uma das condições de envelhecermos bem. Parabéns, Tereza.