Semente




A semente já chegou
Nem tão de repente
Era desejada, era esperada

E agora ali está
Pequena para os olhos
Grande para a emoção,
Até bate o coração!

Vai tomando forma
Se aninhando, bem devagar
E tudo se transforma, vejam vocês
O que antes eram dois
Agora já são três!



Tá ligado? Então desligue!

Ponte Octávio Frias, SP.


HORA DO PLANETA 2010

Vamos colaborar
Um gesto simbólico
Tem poder,
Tem um significado
Não fique aí parado
Com as suas velhas opiniões de sempre.
Apague a luz,
Acenda uma vela,
Namore,
Medite,
Ou então olhe para as estrelas!
Fotos do espetáculo em várias cidades:

Astrologia e o sentido da vida

Catedral de Chartres, França


“Os astrólogos estudam o céu porque o céu lhes fornece uma observação direta da ordem universal. Eles não procuram separar-se do universo e de seus ritmos, como fazem os cientistas, mas antes, buscam identificar-se com esses ritmos.

“Os astrólogos da Antiguidade explicaram o relacionamento do homem com o universo em função da lei de correspondências – “assim como é como acima, assim é embaixo”.
Os alquimistas astrólogos medievais explicaram a afirmação “ o homem é feito à imagem de Deus” como significando que os padrões estruturais do universo manifestado são expressões de uma ordem harmônica, oni-abrangente, que opera do mesmo modo no interior das galáxias, dos sistemas solares, dos homens e dos átomos.
Assim , para o astrólogo, tanto os copos celestes existentes no nosso sistema solar quanto a natureza humana obedecem às mesmas leis e ritmos de desenvolvimento; portanto, para viver uma vida espiritualmente significativa, os seres humanos deverão tentar viver em harmonia com as leis que governam o universo e os planetas”.

“Os cientistas parecem não perceber até que ponto seu condicionamento mental limita seus métodos de investigação; as respostas que encontram – e encontram – podem ser “verdadeiras” em função e no interior dos limites do ponto de vista que adotam, mas certamente não são explicações “ verdadeiras” da realidade total, porque o método científico é construído sobre a exclusão sistemática de tudo aquilo que não pode enfrentar.

Portanto, se os cientistas são incapazes de encontrar qualquer conexão entre o sistema solar e os eventos, tanto interiores quanto exteriores que ocorrem na vida humana, isto NÂO significa que não exista conexão, mas simplesmente que ela pertence a uma ordem diferente daquele que o método científico pode estabelecer”.

“Muitas pessoas, atualmente, perderam o sentido de organização e a sensação que há um significado e um valor em suas vidas. O psicólgo Viktor Frankl, em seu livro “ Em busca do Sentido”(1) mostrou que esse sentido de significado é mais vital, tanto para as crianças com o para os adultos, do que a alimentação ou o vestuário.
Muitas pessoas são atormentadas pela sensação do seu vazio interior, de um vácuo dentro de si mesmas; são vítimas daquela situação que Frankl chama de “ vácuo existencial”. Portanto, é importante que algo seja feito, a fim de restaurar esse sentimento de significado, se desejamos dominar a expansão alarmante da neurose, da frustração e do tédio”.
Texto extraído do livro: Ciclos de Evolução
Autor: Alexander Ruperti
Editora Pensamento , 1986, escrito em 1987.

(1) Livro de Frankl fundador da Logoterapia, obra fundamental na Psicologia, escrita em 1945, traduzido para 27 línguas. Não trata de acontecimentos externos, mas de experiências pessoais que milhares de prisioneiros viveram de muitas formas. É a historia de um campo de concentração visto de dentro, contada por um dos sobreviventes ( o autor).
Editora Vozes

Céu e Terra


Mirra Alfassa, A Mãe

Para que serviria o homem
Se ele não fosse feito
Para estender uma ponte
Entre Aquilo que é eternamente,
Mas não é manifestado,
E o que é manifestado,
Entre todas as transcendências,
Entre todos os esplendores
Da vida divina
E toda a obscura
Dolorosa ignorância
Do mundo material?

O homem é o elo entre o que deve ser e o que é;
Ele é a passarela estendida
Sobre o abismo,
Ele é o grande X em cruz,
O traço de união quaternário.
Seu domicílio verdadeiro,
A sede efetiva de sua consciência
Deve estar no mundo intermediário
Que é o ponto de junção
Dos quatro braços da cruz,
Lá onde todo o infinito do
Impensável vem tomar forma precisa
Para ser projetado
Na inumerável manifestação...

Este centro é um lugar de amor supremo
De consciência perfeita,
De puro e total conhecimento.
Estabelece lá, Senhor,
Aqueles que podem devem e querem servir-Te verdadeiramente,
A fim de que Tua obra possa
Realizar-se,
Que a ponte seja definitivamente estabelecida
E que incansavelmente
Tuas forças possam espalhar-se no Mundo

We are all One




“ Além disso, não precisamos correr sozinhos o risco da aventura,
pois os heróis de todos os tempos a enfrentaram antes de nós.

O labirinto é conhecido em toda a sua extensão.
Temos apenas que seguir a trilha do herói, e lá, onde temíamos encontrar algo abominável, encontraremos um deus.

E lá , onde esperávamos matar alguém, mataremos a nós mesmos.

Onde imaginávamos viajar para longe, iremos ter ao centro de nossa própria existência.

E lá, onde pensávams estar sós, estaremos na companhia de todo mundo!


Joseph Campbell(1)



“ O tempo é comparável a um pó muito fino, que distraídos, deixamos escorregar por entre os nossos dedos sem nem ao menos perceber. Se lhe damos um bom uso, é a ponte por onde fazemos passar a trama do os nosso dias para fabricar o tecido de uma vida significativa.

Portanto, tomarmos consciência de que o tempo é o nosso bem mais precioso torna-se essencial para a busca da felicidade. Isso não quer dizer que tenhamos de nos livrar daquilo que é agradável na vida, mas sim que é preciso descartar tudo o que nos leva a desperdiçá-la.

Sem causar dano à pessoa, é necessário ter força de espírito para não ceder àquela vozinha que nos sussurra para concordarmos com as incessantes concessões às exigências da vida cotidiana.
Por que hesitar em fazer tabula rasa do supérfluo?
Que vantagem há em nos dedicarmos ao superficial e ao inútil?
Como diz Sêneca:
“Não é que tenhamos tão pouco tempo, mas que o desperdiçamos demais”.

A vida é curta.Sempre perdemos, quando deixamos de lado as coisas essenciais, ou as adiamos ao nos deixarmos enredar pelas demandas incoerentes da sociedade.

Os anos ou as horas de vida que nos restam para viver são como uma substância preciosa que se desfaz, podendo ser desperdiçada sem que percebamos.
Apesar do seu grande valor, o tempo não sabe proteger-se a si mesmo, é como uma criança que pode ser levada pela mão, por qualquer pessoas que passe”.

Matthieu Ricard(2)


(1)
Do livro: O poder do Mito
Editora Palas Athena

(2)
Do livro Felicidade – a prática do bem-estar
Editora Palas Athena

Oásis


Por Tereza Kawall

Onde estão meus oásis?

No dicionário encontro:
Oásis: lugar aprazível, em contraste com outros que não são; coisa bela, agradável, deliciosa; prazer, alegria entre desgostos.

Em alguns recantos da alma
Gosto de vislumbrar o que chamo de meus oásis pessoais
E o que são eles?

Tudo e todos que me acolhem
Em algum ponto desta jornada
Chamada vida.

Pode ser o silêncio
Da solidão opcional
Às vezes entremeados de boas leituras
Dos bons pensadores ou poetas

São também os mestres do espírito e da palavra
Uma lufada de ar fresco,
Cuja sabedoria é a lanterna precisa
para aqueles dias que o sol não apareceu

Pode ser a música;
Hoje me contento com as já conhecidas.
Pode ser o sombreado das árvores,
Sempre gentis, a espera de todos.

Podem ser imagens afetivas
Que o anzol da memória pega lá longe
Encontros,
Amores desfeitos,
Alguns com suavidade, alguns com pesar
Todos contam uma história
Dos dias com pouca, nenhuma e muita glória!

Podem ser os sons que vivem pelo ar
Dos animais, pássaros, aviões que passam
Aquele vai e vem do mar
Crianças brincando

Uma flor que se oferece em perfume
Evocando outras paisagens
Abrindo novas passagens
Para o leito do rio
Que teima em passar, passar

Somos passantes, afinal.

Podem ser as miragens
De devaneios do vir a ser
Uma espécie de saudades do futuro
Que nos inspira a continuar,
Ficar na pontinha do pé
Para espiar o que ainda virá


Podem ser as “amigas-oásis”Sua presença pode ser sombra e água
Novidades, alegrias e conforto

Algumas vão e voltam
Algumas sempre por ali estão
Uma espécie de raridade
Caminham lado a lado com a nossa idade,
Que parceria!

Outras chegam no hoje
Mas já estavam por aí procurando
Paisagens semelhantes, quiçá os mesmos oásis
E mesmo sem antes tê-las conhecido
Nós a reencontramos!
Com elas tudo é novo, tudo é antigo
E tudo faz tanto sentido.

A todos que comigo caminharam
E pavimentaram a minha jornada
com mais luz e entendimento,
Minha reverência e gratidão.

Constelações

Fotografia de uma constelação
Karl von Eckhartshause, "Chaves da magia, o alfabeto celeste", 1788.
As estrelas vivas são os sinais de fogo com os quais Deus escreve os mistérios profundos do Universo.
No “ Zohar”, um dos textos mais importantes da literatura cabalística está escrito:
“ Nos espaços infinitos se encontram figuras e sinais que podem revelar os segredos mais profundos. Estas figuras luminosas são os caracteres com os quais o Altíssimo criou o Céu e a Terra”.
As estrelas e as constelações são assinaturas do alfabeto natural com o qual foram criadas todas as coisas terrestres.

O artista visionário reconhece os sinais do céu e os reproduz em sua obra. Com eles cria um microscosmo, ou seja, organiza o caos, dando-lhe uma forma. Um mago renascentista, Agripa Neheseim, escreveu o seguinte a respeito dos signos celestes:
“ Os caracteres de seu alfabeto estão formados à imagem das estrelas e por isso repletos de mistérios celestes, tanto por sua aparência, forma e significado, como pelo valor numérico que eles contém”


Joan Miró, " Constelações", 1940




Visite o site sobre simbolismo tradicional:
http://www.arsgravis.com/

Chico Xavier













A gente pode morar numa
casa mais ou menos


morar numa rua mais ou menos

morar numa cidade mais ou menos

e até ter um governo mais ou menos

A gente pode

dormir numa cama mais ou menos

comer um feijão mais ou menos


ter um carro mais ou menos,


e até ser obrigado a acreditar
mais ou menos no futuro


A gente pode olhar em volta


e sentir que tudo está mais ou menos

TUDO BEM!

O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum,

É amar mais ou menos

É sonhar mais ou menos

É ser amigo mais ou menos

É ter fé mais ou menos,

Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos.”

Chico Xavier

Primeiro Amor

Pétala , composição de Djavan

O seu amor
Reluz
Que nem riqueza
Asa do meu destino
Clareza no tino
Pétala
De estrela caindo
Bem devagar

Ó meu amor
Viver
É todo sacrifício
Feito em seu nome
Quanto mais desejo
Um beijo seu
Muito mais eu vejo
Gosto em viver, viver...

Por ser exato
A amor não cabe em si
Por ser encantado
O amor revela-se
Por ser amor
Invade
E fim.