O DESCANSO DA BUSCA

Foto de Clark Little

"Mesmo que o mutante esteja convencido de que o transpessoal se encontra em seu mundo interior, um obstáculo inesperado se apresenta em seu caminho.
É a fantasia da separatividade, própria do paraíso perdido do qual acabamos de falar.Pelo fato dele se sentir separado do mundo exterior, projeta essa separação no mundo interior.
Da mesma forma que o sonhador vê um sonho como exterior a si mesmo – embora o sonho esteja dentro dele e o próprio sonhador seja também um sonho -, e imagina a experiência ou o estado transpessoal como algo exterior.
Inicia então um processo de experiências fora de si mesmo. Precisará compreender que o que ele procura está mais perto do que imagina, já que se trata dele mesmo, de seu próprio espírito. Ele se encontra na situação de um jovem gato querendo agarrar a própria cauda –
o objeto do transpessoal é a descoberta do espírito pelo próprio espírito.

Diz Ken Wilber sobre isso:
... “ O Espírito não pode ser pego, ou alcançado ou buscado, ou visto: ele é o visionário sempre presente.
VOCÊ é esse algo! Você não pode sair por aí buscando o buscador....
Em vez disso posso descansar como observador, que já está livre dos objetos, livre do tempo, livre da busca. Quando não sou objeto, sou Espírito.
Quando descanso como observador livre e sem forma, estou com Deus agora mesmo, neste momento eterno e atemporal.
Provo o infinito e fico pleno, precisamente porque não estou mais buscando mas apenas descansando como que sou...”
Depois de Abraão existir,eu sou. Antes da grande explosão eu sou. Depois que o universo se dissolver, eu sou. Em todas as coisas grandes e peuqenas, eu sou.
E ainda assim, nunca posso ser ouvido, sentido, conhecido ou visto.
EU SOU é o Visionário sempre presente”.

Há uma história que simboliza de modo magistral essa visão.
“ Era uma vez uma onda que encontrou outra onda, aflita e apressada.
Aonde é que tu vais tão afobada?
Eu vou por aí em busca do mar....
Mas você é o mar!”

Nós somos ondas que se esqueceram que são mar.

Do livro: Os mutantes
Pierre Weil
Editora Verus, 2003.

2 comentários:

  • KÁTIA BUENO | 23 de dezembro de 2010 09:20

    Tereza querida,
    Este post é um tesouro para a nossa consciência. Amei a frase:
    "Nós somos ondas que se esqueceram que são mar". É perfeita!
    Passei tb para agradecer pelo seu carinho, e te desejar um Natal bem iluminado à você e toda a sua família! Que 2011 seja um ano maravilhoso para todos nós!
    Um beijo carinhoso.

  • Norma Villares | 25 de dezembro de 2010 11:48

    Que as velas ilumine o Natal com esperança ricas de amor, de alegria, de harmonia e ventura. Ilumine seu olhar, enriquecido com cumprimentos de felicidades e paz. E esta Paz ilumine todos seus dias no ano de 2010, para que deles sejam lembrados, os melhores momentos de alegria. Que a Luz emanada pelo Cristo ilumine sua família, para que não esqueçam que a base de tudo é amor e compreensão. Tenham uma noite de Natal abençoada com a presença do Mestre Jesus. Não se esqueçam dele, viu.
    Feliz Natal
    Votos Ano Novo de paz
    Sublimes abraços