Benéfica Solidão 2

Pintura feita por Carl G Jung, de seu " Red Book"( *)

“ Quando criança, sentia-me solitário e o sou ainda hoje, pois sei e devo dizer aos outros coisas que aparentemente não conhecem ou não querem conhecer. A solidão não significa a ausência de pessoas à nossa volta, mas sim o fato de não podermos comunicar-lhes as coisas que julgamos importantes, ou mostrar-lhes o valor de pensamentos que lhes parecem improváveis.
Minha solidão começa com a experiência vivida em sonhos precoces e atinge seu ápice na época em me confrontei com o inconsciente.
Quando alguém sabe mais que os outros, torna-se solitário. Mas a solidão não significa necessariamente oposição à comunidade; ninguém sente mais profundamente a comunidade que o solitário; e esta só floresce quando cada um se lembra de sua própria natureza, sem identificar-se com os outros”.

Carl Gustav Jung, do livro autobiográfico: Memórias , sonhos e reflexões
(*) Após o rompimento com Freud ( 1913), Jung entrou num período de desorientação e incertezas, e entrou em contato com imagens internas, fortes emoções e experiências psíquicas, que foram por ele relatadas e também ricamente ilustradas no seu Livro Vermelho.
Em suas palavras:
" Os anos em que eu estava perseguindo minhas imagens internas foram os mais importantes da minha vida - neles, tudo o que era essencial foi decidido. Tudo começou ali; os detalhes posteriores foram só suplementos e clarificações do material que irrompeu para fora do inconsciente, e que no início estavam me afundando".

1 comentários:

  • KÁTIA BUENO | 13 de junho de 2010 09:50

    Olá querida, que belíssimo post! Sou super fã do Jung e de toda a vastíssima e tão profunda obra deixada por ele. Eu não conhecia esta pintura feita por ele do Red Book. Está maravilhosa! Dá pra ver que tem símbolos celtas na parte da água e outros egípcios na gôndola. Amei! Obrigada por compartilhar e um ótimo domingo pra você. Beijos.