Lá está ela!

foto: TKawall














foto: Ricardo Cardim





Por Tereza Kawall

As árvores são um doce refúgio
Para os meus pensamentos
Que às vezes se parecem com as andorinhas
Ficam todos espalhados, voando de lá pra cá,
Ziguezagueando no ar...

Quando contemplo uma árvore
Meu pensamento pode ali se aninhar, descansar,
Minhas inquietações vão se apaziguando
Porque vejo nelas um sentido, um propósito
De proteger e abrigar a vida
Pacificar as cidades e amenizar o seu calor.
E como são vaidosas, ao exibirem suas flores!

Sabem embelezar a vida com seu verde bailado,
E assim nos acalmar,
Como dedicadas Grandes Mães que são.

A árvore também se oferece
Para o besouro, para minhoca, para a abelha e o pássaro
Para o sorveteiro, o descanso, e para o beijo roubado.

O tempo passa, mudam as ruas, mudam as cores,
Mudam as casas, mudam as nuvens e os passantes,
Bem diferente das árvores, pois se deixarem,
Lá estão elas,
Altivas, sempre belas.


















1 comentários:

  • Adelia Ester Maame Zimeo | 22 de dezembro de 2009 20:06

    Tereza Querida, você descreve poeticamente a sensação tão gostosa, que se tem no contato com as árvores. Essa Paz, acolhimento que nos faz tão bem e nutre nossa alma... Sinto-me acolhida por elas, sempre. E a elas rendo minha gratidão! Beijo Afetuoso.